OUTROS DESTAQUES
SGDC
PGR recomenda manter suspenso contrato da Telebras com Viasat
terça-feira, 08 de Maio de 2018 , 19h46

[Atualizada às 21h15] A parceria da Telebras e da Viasat sofreu mais um revés. Em parecer encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira, 8, a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, defende a manutenção da suspensão do contrato das empresas para a exploração da capacidade comercial do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação (SGDC), decorrente da liminar conseguida pela Via Direta, na Justiça do Amazonas. Na manifestação dela, a alegação de possíveis prejuízos aos programas de universalização do governo não são suficientes para manter o acordo. E destaca que a cláusula de comercialização de 100% da capacidade em banda Ka do satélite é ilegal por se caracterizar como condição diferente da ofertada no leilão fracassado de 2017.

Dodge afirma também que, após o fracasso do leilão do SGDC em 2017, a Telebras "não adotou qualquer das determinações legais: não demonstrou a impossibilidade de repetição da seleção e tampouco manteve as condições estabelecidas no leilão anterior para a contratação direta". Em vez disso, ressalta, a empresa preferiu celebrar contrato direto com a Viasat para celebrar exploração de 100% da capacidade em banda Ka do satélite.

Mesmo com regras mantidas sob sigilo, ela entende que essa condição permitindo a exploração da totalidade de capacidade já é "suficiente para se entender descumprido o referido art. 29-III da Lei 13.303/2016", a Lei das Estatais, porque o edital original previa o leilão em lotes, de forma setorizada. A procuradora-geral diz que isso causa "perplexidade e gera dúvidas acerca de possíveis privilégios ao particular, tratamento desigual entre os interessados e prejuízo ao erário". Afirma ainda que causa o esvaziamento da função da estatal como responsável pela operação do satélite, "sem qualquer reserva de exclusividade que garanta a implementação dos objetivos do Programa Nacional de Banda Larga – PNBL".

O parecer esclarece que essa reserva mínima não apenas asseguraria a universalização da conexão, mas também segurança das informações governamentais. No entendimento da magistrada, o acordo subverte o conceito de soberania nacional ao dar 100% dos dados operacionalizados à Viasat, incluindo demandas da administração pública. Até por não se saber detalhes do contrato ou de obrigações da empresa norte-americana com os Estados Unidos. "E não se está falando, in casu, de segurança no âmbito das comunicações militares ou de defesa nacional e, portanto, de dados relacionados à Banda X do satélite brasileiro."

Raquel Dodge também justifica a suspensão imediata dos serviços, afirmando que a tutela antecipada pedida pela Telebras e pela Viasat para o uso do SGDC poderia ser estendida por toda a execução do prazo previsto em contrato até que uma decisão final fosse tomada pela Justiça. "Diante de todo o exposto, óbices ou atrasos nas ações referentes aos programas de acesso à Internet desenvolvidos pela União não constituem fundamento suficiente para o acolhimento da suspensão", diz ela no parecer. Mesmo que a decisão traga impacto negativo na execução imediata de políticas públicas, afirma, há a necessidade de se preservar o bem maior, "como a lisura da ação administrativa, o patrimônio público e a defesa da soberania nacional".

Em resposta, a Telebras enviou posicionamento no qual diz que vai recorrer, e assegura haver lisura no processo. Confira na íntegra:

Em relação ao parecer da Procuradoria-Geral da República, disponibilizado nesta terça-feira (8), a Telebras informa que solicitará nova oportunidade junto às instâncias do Judiciário para esclarecer a lisura do processo de parceria com a Viasat e oferecer todas as informações sobre o contrato ao Poder Judiciário. Ciente das suas responsabilidades, a Telebras confia na atuação da Justiça a fim de manter a implementação dos objetivos do Programa Nacional de Banda Larga.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top