Anatel conclui TAC de R$ 627 milhões da TIM

O Conselho Diretor da Anatel aprovou nesta quinta-feira, 22, o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da TIM. O acordo envolve ações para melhorar os indicadores de qualidade da operadora, bem como a expansão das redes 3G e 4G, e tem como referência o valor de R$ 627 milhões, equivalente às multas aplicadas à operadora em função de processos de descumprimento de indicadores de qualidade, direitos e garantias dos usuários, ampliação do acesso e fiscalização. Trata-se do primeiro TAC feito entre a agência e uma operadora de abrangência nacional, mas o segundo celebrado pelo órgão regulador. O único outro acordo aprovado pelo colegiado foi com a Algar, no início deste mês.

Assim como o caso da prestadora regional, o termo ainda passará pelo Tribunal de Contas da União. O valor de referência das sanções ainda pode ser corrigido de acordo com a regulamentação aplicável.

Segundo o conselheiro relator do processo, Emmanoel Campelo, a prestadora se compromete a cumprir metas dos leilões realizados anteriormente (3G, banda H), licenciar todas as estações e não provocar óbices à fiscalização do órgão regulador. "A TIM também se compromete a ressarcir os usuários afetados com cobranças indevidas no período de seis meses. Para cumprir o compromisso, a operadoras deverá implantar ferramentas de gestão de filas, consulta de protocolos e documentos e gestão de SVAs", explicou. A tele também terá um prazo de 240 dias para solucionar procedimentos de encaminhamento de chamadas e deverá apresentar melhorias em todos os indicadores de qualidade, com metas anuais ao longo dos quatro anos de vigência do acordo.

Notícias relacionadas

Em relação aos investimentos adicionais estabelecidos no acordo, a operadora se compromete a levar cobertura 4G a 366 municípios e 18 distritos que não contam com a tecnologia, mas selecionados entre aqueles com população inferior a 30 mil habitantes e com baixo índice de desenvolvimento humano nas regiões Norte e Nordeste. Serão 268 municípios nas regiões Norte e Nordeste, 89 no norte de Minas e nove em Goiás. A previsão é de que cerca de 80% deles serão atendidos até o segundo ano do TAC. Os demais, nos 12 meses subsequentes. 

"Este TAC representa evolução do ambiente regulatório. É um projeto com dois vetores complementares, o setor público e o privado, que conseguiram dialogar e chegar em algo maior de interesse geral, o que aponta para o progresso nas relações entre Estado e economia", afirmou o vice-presidente da TIM, Mario Girasole, que se manifestou momentos antes da votação do conselho. Ele também ressaltou que o acordo atende a duas premissas defendidas pela operadora: compartilhamento de infraestrutura a ser construída e o investimento de recursos em regiões pouco atrativas economicamente.

 "É natural que haja uma curva de aprendizado nesse processo. A presença do interesse público não significa ausência do interesse privado e vice-versa; caso contrário um TAC jamais seria aprovado para resolver pendências entre as partes", comentou o presidente da agência, Leonardo Euler de Morais. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.