Parceria entre Oi e Huawei foca em monitoramento para smart cities

Em conjunto com a fornecedora Huawei, a Oi apresentou nesta terça-feira, 16, na Futurecom, solução de smart cities para monitoramento inteligente com vídeo. O sistema permite a identificação de rostos, comportamentos e também de elementos como placas de automóveis. A ideia é promover aplicações de vigilância, como alarmes de reconhecimento facial automático e detecção de acesso indevido em área restrita. Voltado primariamente para governo, a plataforma já está sendo utilizada pela secretaria de segurança pública de Salvador em pontos de ônibus, praças e demais locais públicos.

A solução também está presente em cidades da Europa, Ásia e América Latina. Um dos exemplos é em Shenzhen, onde fica uma das sedes da Huawei. A cidade chinesa conta com mais de 1,3 milhão de câmeras espalhadas, com dados analíticos que podem ser transferidos sem a necessidade de troca física do sensor. A Oi avalia a implantação de projeto piloto na parceria em município brasileiro.

O software da companhia chinesa permite a identificação automática de rostos, mesmo que não haja cadastro da pessoa em um banco de dados, apenas cruzando as imagens com a de outras vezes que a pessoa passou pela câmera. O armazenamento das informações fica em nuvem, mas privada. Segundo o diretor de eLTE para América Latina da Huawei, Ricardo Bovo, nem mesmo a tele tem acesso ao feed dos vídeos, o que garante a privacidade.

O papel da Oi é como integradora, o que não a impede de adicionar outros serviços corporativos ou para governos. "A ideia é desenvolver o projeto, mas podemos colocar camadas de segurança, por exemplo. Além disso temos a estrutura e a capilaridade da fibra", conta o gerente de soluções de TI do Corporativo da Oi, Leonardo Menezes. "O foco inicial é em smart city e governo", reitera.

eLTE

A Huawei também demonstra no evento que acontece nesta semana em São Paulo solução de comunicação utilizando rede 4G privada (o eLTE). Em parceria também com a Oi, utiliza a mesma infraestrutura de radiobase da rede comercial da operadora. "É possível criar a rede privada só para segurança pública, como existe no México", declara Ricardo Bovo. A solução demonstrada utiliza faixa de 1,8 GHz da Oi e tem aplicações como vídeo compartilhado para segurança pública, seja por meio de dispositivo móvel ou por um drone, por exemplo. Segundo Bovo, a plataforma foi utilizada pela equipe de resgate das crianças presas em uma caverna na Tailândia, em julho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.