Ação da Claro contra Fox e Turner na Anatel chega à fase de alegações finais

A análise da Anatel sobre a denúncia feita pela Claro contra as programadoras Fox e Turner por conta da oferta de conteúdos diretamente ao consumidor parece estar andando mais rapidamente do que se previa. A área técnica da agência responsável pelo caso deu prazo de 10 dias para que as empresas denunciadas apresentem suas alegações finais. O despacho é do dia 14 de fevereiro, e a contagem é a partir do recebimento. Ou seja, até o final de fevereiro a agência quer estar pronta para formular uma posição técnica. Depois disso o caso deve ir para a Procuradoria Especializada da agência e, dada a relevância do caso, certamente será analisada pelo conselho diretor.

Recorde-se que a Claro, no final de dezembro, fez uma denúncia alegando que os serviços Fox+ (da Fox) e Esporte Interativo Plus (da Turner), ao oferecerem conteúdos lineares e ao vivo no modelo OTT (pela Internet), mas cobrando assinatura, estariam prestando irregularmente o Serviço de Acesso Condicionado (SeAC), pois precisariam de outorga específica para isso. As regras do SeAC impõem uma série de obrigações previstas em lei e na regulamentação, entre elas as restrições à propriedade cruzada entre produção e distribuição (empresas de conteúdo não podem prestar serviços de telecom e vice-versa), cotas de programação nacional, canais obrigatórios, metas de qualidade e atendimento entre outras obrigações. Para que Fox e Turner pudessem explorar o modelo de distribuição de conteúdos pela Internet, teriam que se tornar prestadoras de telecomunicações (o que é proibido pela Lei 12.485/2011).

Notícias relacionadas

Evento

Este será um dos temas em debate no Seminário Políticas de (tele)Comunicações, que acontece no próximo dia 19 de fevereiro, em Brasília. O encontro é organizado pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicação da Universidade de Brasília. Mais informações sobre a programação e sobre inscrições pelo site www.politicasdetelecom.com.br.

2 COMENTÁRIOS

  1. Pelo jeito vamos ver (finalmente) a alteração da Lei 12.485/2011.
    E que ficou completamente defasada da realidade global, uma vez ignorais internet.

Deixe uma resposta para Leitor Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.