OUTROS DESTAQUES
Infraestrutura
Governo precisa incentivar o FTTH, afirma Huawei
terça-feira, 09 de Abril de 2013 , 17h16 | POR BRUNO DO AMARAL

Apesar do crescimento mais modesto, a banda larga fixa foi um dos destaques do Balanço Huawei da Banda Larga, apresentado nesta terça, 9, em São Paulo. Para a companhia, a solução que deve ser adotada é uma só: fiber-to-the-home (FTTH), se possível com ajuda do governo para a implantação da fibra em residências. Isso porque, apesar da demanda atual ainda ser compatível com outras tecnologias como DOCSIS 3.0 e FTTC (fiber-to-the-curb), os acessos simultâneos acabarão por deixar mais evidente a necessidade por maior largura de banda, acima dos 100 Mbps.

O problema é que, para isso, os investimentos precisam ser mais avançados. Segundo o presidente da Teleco, Eduardo Tude, a Europa está com um programa agressivo para recuperar o tempo perdido com a instalação de infraestrutura ótica na região, que é considerada deficiente. Em comparação, citando um estudo do FTTH Council, seria necessário um investimento de 192 bilhões de euros para instalar fibra em todos os domicílios europeus, considerando que a região conta tipicamente com construções antigas, que dificultam o acesso. Com base nessa estimativa, Tude afirma que o valor para o Brasil seria de R$ 100 bilhões.

Além disso, outro desafio para a implementação do FTTH é o take-up rate, isto é, a quantidade de domicílios assinantes efetivos em relação à quantidade de homes-passed. Segundo o balanço da Huawei, essa taxa é mais alta nos Estados Unidos, com 42,3%; seguidos da Rússia, com 38,3%; e Europa, com 17,9%. No Brasil, o take-up rate é ainda menor. Considerando números da Telefônica/Vivo apenas, a proporção é de 10,77% (são 1,04 milhão de homes-passed e 112 mil acessos FTTH), o que representaria a taxa nacional – Tude considera os números da Oi e de provedores menores insipientes para o cálculo. "A Vivo está crescendo pouco (foram apenas cem mil novos acessos fixos de banda larga em 2012) porque está priorizando o FTTH", diz ele. Para termos de comparação, no ano passado a operação do grupo Embratel/Net cresceu 1,01 milhão de acessos de banda larga fixa (incluindo outras tecnologias, como xDSL); a Oi, 760 mil; e a GVT, 490 mil, segundo dados do Balanço Huawei.

Ajuda do governo

Assim, a Huawei dá bastante importância ao acesso mais facilitado à fibra no Brasil. O CTO e diretor latino-americano da empresa, José Augusto de Oliveira Neto, explica que políticas públicas poderiam ajudar. "É necessário que o governo passe a reconhecer que a fibra é a base da revolução tecnológica", afirma. Ele sugere leis que possam exigir espaço para infraestrutura de telecomunicações em construções. "Isso é feito atualmente, mas não é exigido. Se for feito com fibra, já facilitaria muito". Oliveira Neto lembra que nos EUA, mesmo com o maior take-up rate do mundo, há um programa para estimular a implementação da infraestrutura ótica.

O CTO afirma que a oferta de FTTH atual no Brasil existe justamente por conta da concorrência das companhias menores. "As incumbents estão sendo atacadas, por isso oferecem fibra. Mas isso já prejudica o take-up rate", explica.

Entretanto, as oportunidades no mercado existem em médio e longo prazo com o aumento da demanda de velocidade, além de uma demanda por IPTV. Isso fica evidenciado com o caso da operadora norte-americana Verizon, que observou a oferta de TV por fibra ter crescimento equivalente ao aumento da banda larga fixa com cabos óticos, chegando a 5,4 milhões de assinantes da FiOS Internet e 4,7 milhões da FiOS TV.

O grupo Net/Embratel vem crescendo, assumindo a primeira posição no mercado de banda larga fixa no País após ter o maior número de adições líquidas em 2012. Já a GVT empurra os provedores a oferecer cada vez mais velocidade: na base de assinantes da companhia, 80% possuem conexões acima de 10 Mbps, e a empresa já aumentou a velocidade mínima ofertada para 15 Mbps. Mas essas empresas ainda precisam de maior capilaridade.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top