OUTROS DESTAQUES
Análise
Base de telefonia fixa encolhe com recuo também das autorizadas
quinta-feira, 19 de maio de 2016 , 18h09

Em março, nem as autorizadas a prestar serviço telefônico fixo comutado (STFC) escaparam da retração, toda a base de telefones fixos caiu, segundo dados da Anatel divulgados nesta quinta-feira, 19. O trimestre encerrou com 43,164 milhões de acessos totais, uma redução de 0,48% comparado com fevereiro e de 4% (quase 1,8 milhões a menos) em relação a março de 2015. Ainda assim, as autorizadas aumentaram 0,10 ponto percentual no market-share e agora representam 41,87% da base total, contra 58,13% das concessionárias.

A base das autorizadas recuou pela segunda vez no ano (a primeira foi em janeiro), com diminuição de 0,25%, próximo da redução de 0,34% no comparativo anual. A base total em março era de 18,073 milhões. No período destaca-se a redução das duas maiores bases. A líder América Móvil (Claro, Embratel e Net) reduziu a base em 0,25%, a maior queda líquida (28,8 mil desconexões), fechando março com 11,427 milhões de acessos. A segunda maior, a Vivo, recuou 0,06% no mês e ficou com 5,364 milhões de linhas. Por coincidência, as duas empresas mostram o mesmo percentual de variação anual: 2,59%, embora seja de crescimento para a Vivo e de queda para a AMX.

Crescimento Autorizadas

Vale ressaltar ainda que a Cabo Telecom, de Natal, reduziu a base em pouco mais da metade (51,74%) apenas em um mês, totalizando 18 mil acessos. Algar (0,58%), Oi (0,64%), Sercomtel (1,37%) e o grupo de pequenas (1,66%) mostraram crescimento, enquanto a base da TIM ficou estagnada.

Já a base de concessionárias voltou a apresentar queda: 0,65% no mês e 6,4% no ano, totalizando em março 25,091 milhões de acessos. A maior responsável foi a Oi, que é líder de mercado com 14,698 milhões de acessos: 0,87% de redução em relação a fevereiro e 7,90% no comparativo anual. A Vivo reduziu a base em 0,41% (4,87% no ano) e fechou março com 9,492 milhões de linhas de telefonia fixa. A Algar voltou a crescer (0,35% no mês e 1,43% no ano), total de 728,8 mil acessos.

Os telefones públicos somaram 1,062 milhão de acessos, 228 a mais que em fevereiro. Desses, 857,2 mil são orelhões (queda de 0,09%); 179,5 mil são telefones do Acesso Individual Classe Especial (Aice, para famílias do CadÚnico), ou telefone popular (avanço de 0,62%); 20 mil são de orelhões para cadeirantes (queda de 0,26%); e 5,6 mil para deficientes auditivos (redução de 0,20%).

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top