Modelo de negócios das operadoras vai mudar com 5G, prevê presidente da Qualcomm

(Matéria originalmente publicada no site MobileTime) O modelo de negócios das operadoras móveis vai mudar com a chegada da quinta geração de telefonia celular (5G), prevê o presidente da Qualcomm, Cristiano Amon. Ele destaca, entre as novas possibilidades, que serão abertas às teles: a monetização de dados coletados pelas suas redes, a distribuição de conteúdo e a oferta de conectividade e soluções para novas verticais, especialmente com Internet das Coisas (IoT).

A nova geração de telefonia celular não vai impactar apenas o setor de telecom, mas provavelmente todos os setores da economia mundial. "Hoje há uma maior compreensão do poder da conexão móvel no desenvolvimento da economia. Sem o mobile não haveria Instagram, Uber ou Snapchat. Se vc olhar a China hoje e como o WeChat está desafiando fintechs e bancos… O 5G vai fazer o mesmo, com a diferença de que agora todo mundo entende a importância do mobile", analisou Amon.

Com o uso de bandas de alta frequência, o 5G alcançará velocidades de vários Gigabits por segundo, viabilizando aplicações de entretenimento imersivo, por exemplo. Ao mesmo tempo, garantirá baixa latência, menor que 1 ms, o que permitirá soluções de missão crítica em indústrias, assim como a comunicação entre carros autônomos.

Consolidação

Amon prevê também um processo de consolidação no setor das teles. "Haverá uma consolidação entre as operadoras para ganharem escala nos próximos anos, conforme o 5G se torna maduro", projeta o executivo.

O executivo espera que muitas operadoras optarão por acelerar a migração para o 5G porque seu Opex será menor que aquele no 4G atualmente.

Amon participou nesta quarta-feira, 7, de um seminário sobre 5G organizado pela Qualcomm para jornalistas internacionais em San Diego, nos EUA.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.