OUTROS DESTAQUES
Chances do GSM são maiores em grandes coberturas
quarta-feira, 16 de fevereiro de 2000 , 22h53 | POR REDAÇÃO

Na hipótese de aprovação da faixa de 1,9 GHz para o PCS, são remotas as chances de os novos operadores adotarem o GSM, já que teriam maior dificuldade em cobrir suas áreas de concessão com um sistema totalmente inédito no país, sem possibilidade de fazer interconexão ou adquirir tráfego de infra-estruturas já instaladas. Mas, de acordo com Jefferson Scalabrin da Silva, analista sênior de estratégias de mercado wireless para o Brasil do Yankee Group, se for definida apenas uma área de concessão para todo o território nacional, ou apenas três (uma no Rio de Janeiro, outra em São Paulo e a terceira para o restante do país, por exemplo), resta ainda uma oportunidade para a adoção do GSM, independentemente da freqüência a ser utilizada. Isto porque, em áreas extensas (como o país inteiro ou todo o território menos Rio e São Paulo), a operadora escolhida terá uma grande área de cobertura, sem ter de fazer roaming.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Comece o ano com um debate atualizado e aprofundado sobre os principais pontos da pauta política e regulatória do setor de Comunicações para o ano de 2019, as perspectivas para o novo governo e para o trabalho da Anatel, além de discussões aprofundadas sobre o modelo de regulação por incentivos e a aplicação  e implicações da Lei de Proteção de Dados para o setor de telecomunicações.

19 de fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Comece o ano com um debate atualizado e aprofundado sobre os principais pontos da pauta política e regulatória do setor de Comunicações para o ano de 2019, as perspectivas para o novo governo e para o trabalho da Anatel, além de discussões aprofundadas sobre o modelo de regulação por incentivos e a aplicação  e implicações da Lei de Proteção de Dados para o setor de telecomunicações.

19 de fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top