Publicidade
Início Newsletter Viasat não teme constelações LEO no Brasil ou competidores de fibra óptica

Viasat não teme constelações LEO no Brasil ou competidores de fibra óptica

Com pouco mais de um ano de atuação no mercado residencial de banda larga via satélite brasileiro, a Viasat não teme a competição de eventuais entrantes com constelações de baixa órbita (LEO) ou mesmo concorrentes que oferecem o serviço por meio de fibra óptica.

Participando do primeiro dia do Congresso Latinoamericano de Satélites (organizado por TELETIME e Glasberg Comunicações a partir desta nesta terça-feira, 31), o diretor de operações de clientes da empresa, Rafael Vaz, afirmou que a Viasat está bem posicionada para o cenário mais acirrado de competição previsto para os próximos anos.

“A chegada de novos operadores é boa para o cenário competitivo, mas vemos algumas questões que precisam ser direcionadas [pelos entrantes], como o custo do serviço para o assinante final e quais os mercados serão atendidos. É uma competição e estamos bem posicionados”, afirmou Vaz, ao ser questionado sobre a disputa com players como a Starlink (da SpaceX) e a OneWeb.

Ao mesmo tempo, a expansão de competidores nacionais de fibra óptica também não é encarada como um grande risco. “Não vemos a fibra chegando em velocidade tão rápida e com retorno dos investimentos parando em pé. Ainda tem muito espaço para crescer a Internet via satélite“, completou o diretor da Viasat.

Notícias relacionadas

Hoje, a operadora já soma clientes em 1.685 municípios a partir de parceria para exploração do SGDC da Telebras, com cobertura nacional. Segundo Vaz, 74% dos consumidores da empresa vivem em áreas rurais. Já a cidade com maior quantidade de usuários seria justamente Oiapoque (AP), no extremo Norte do País.

O foco em áreas com déficit de atendimento estaria dando resultados: segundo Vaz, o número de clientes da Viasat triplicou em 2021, inclusive a partir de parceiros estratégicos (como Sky, RuralWeb e Visiontec). Como reflexo, o time da operadora satelital no Brasil dobrou de tamanho.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile