Abinee defende antecipação do bloqueio de celulares irregulares no Rio de Janeiro

A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) se posicionou a favor da antecipação do bloqueio de aparelhos irregulares no Projeto Celular Legal no Rio de Janeiro, aprovada no início do mês pelo Conselho Diretor da Anatel. O início será a partir do dia 8 de dezembro deste ano, em vez da data original de 24 de março de 2019. Segundo a Abinee, o pedido havia partido do Gabinete de Intervenção Federal, responsável pelas operações para reduzir criminalidade no Estado, ao entender que o bloqueio teria efeito "prático e direto, e contribuirá para elevar a segurança do Rio de Janeiro".

A entidade afirma que o projeto não trata de celulares roubados, mas de aparelhos irregulares, sem um IMEI válido para a Anatel. Como exemplo, cita os "microcelulares" usados nos presídios – eles são adquiridos no mercado paralelo, compostos 99% de plástico (para passar em detectores de metal) e contam com 6 cm de comprimento. A associação lembra que, mesmo com ações da Anatel para impedir a comercialização desses dispositivos, "semanalmente ingressam dezenas de microcelulares nos períodos".

A manifestação, assinada pelo presidente da associação, Humberto Barbato, ressalta que o roubo de celulares é tratado pelo Cadastro de Estações Móveis Impedidas (CEMI), em operação desde 2000 e que já bloqueou anualmente mais de 1,5 milhão de aparelhos roubados. Ele explica que os aparelhos têm alto valor econômico, o que os torna atrativos para os criminosos. "Dizer que o roubo de celulares existe por conta da clonagem de IMEIs é improcedente e contraproducente para as discussões realizadas por mais de cinco anos envolvendo indústria, operadoras e órgão regulador", declara.

Trata-se de réplica aos argumentos do SindiTelebrasil. O sindicato de operadoras afirma que parte da quantia de um milhão de dispositivos irregulares é na verdade de telefones roubados e que têm os IMEIs clonados "por organizações criminosas, utilizando-se da vulnerabilidade existente atualmente nos aparelhos comercializados no Brasil". Argumenta ainda que as teles têm sido "penalizadas por fragilidades na fabricação" dos dispositivos.

Por outro lado, o presidente da Abinee argumenta que a indústria investe em pesquisa e desenvolvimento de aparelhos mais seguros e com mais funcionalidades como senhas, PIN, impressão digital, reconhecimento facial e comando de voz. E que, por isso, o consumidor confia no celular para armazenar e acessar informações bancárias, compras, consultas médicas, documentos e outros dados. "A clonagem do IMEI (…) não tem relação com a segurança dos equipamentos", declara o executivo. "Trata-se da cópia de um número de identificação válido para uso irregular. Portanto, é crime de falsidade ideológica, não um problema no processo de fabricação dos celulares."

Humberto Barbato diz que a posição foi adotada pelo head de serviços IMEI da GSMA, Adrian Dodd, em apresentação à Anatel em maio, quando declarou que se trata de "problema de polícia e não de fabricação". Na época, ele explicou que a GSMA tem monitorado as ferramentas utilizadas pelos hackers para clonagem e adulteração de IMEIs. E que compete às autoridades legais exercerem seus poderes com uso das informações prestadas pelos reguladores.

"A Abinee apoia e atua para que seja aprovado projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional que criminaliza a adulteração do IMEI, assim como já acontece com a adulteração de documentos e de chassis de veículos", reitera o presidente da representante da indústria eletroeletrônica. A entidade já havia se posicionado a favor da própria decisão da Anatel que autorizou originalmente o projeto, em maio do ano passado.

Em dois meses de operação, o Projeto Celular Legal já bloqueou 140 mil aparelhos irregulares no Distrito Federal e Goiás, segundo a Abinee, que diz ainda que a plataforma já tem capacidade técnica e operacional para ser estendida para os demais Estados. "Neste momento tão delicado no cenário de violência do Rio de Janeiro, seria um ato de solidariedade que se iniciasse imediatamente o bloqueio no Estado. Temos todas as condições para isso, basta parar de enxugar gelo", declara Barbato.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.