Nove membros da antiga PT farão parte do conselho da Oi

Após a anuência prévia da Anatel, a Oi convocou uma assembleia geral extraordinária para o dia 1º de setembro para deliberar sobre a incorporação da Telemar Participações, aprovar o novo estatuto social da empresa, abrir o prazo de conversão de ações preferenciais em ordinárias e a eleição do novo Conselho de Administração. Esse novo grupo que deverá ser eleito mostra que a companhia continua sob forte influência portuguesa: a Pharol SGPS, antiga Portugal Telecom, deverá ter nada menos que nove membros.

Segundo comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na madrugada desta sexta-feira, 31, desses nove, quatro serão efetivos e cinco suplentes em um quadro com total de 22 membros. Mesmo com essa presença portuguesa, o presidente do Conselho continuará a ser José Mauro Mettrau.

Destaca-se entre os efetivos portugueses a presença do próprio presidente da Pharol, Luís Palha da Silva, que assumiu a presidência da empresa em maio último, após a saída de Henrique Granadeiro. Outros dois nomes portugueses que terão cadeiras efetivas são de Francisco Ravara Cary e Jorge Telmo Maria Freire Cardoso, ambos representantes da Novo Banco (antigo Banco Espírito Santo) na Pharol. O quarto nome é o de Rafael Luís Mora Funes, administrador da Ongoing, grupo empresarial português que detinha participação na PT e no Banco Espírito Santo, além de empresas de mídia em Portugal e no Brasil.

O presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos, entrará como suplente no Conselho da Oi. Na época em que as negociações caminhavam para a formação da entidade única CorpCo, Vasconcellos havia saído da proposta para compor o time.

Compõem ainda o time de suplentes: João Manuel Pisco de Castro, representante da sociedade gestora de participações sociais Grupo Visabeira; Pedro Zañartu Gubert Morais Leitão, ex-administrador da Oni Telecom (antigo ativo da PT) e que havia saído após a compra da PT Portugal pela francesa Altice; João Vicente Ribeiro, que foi presidente da PME Investimentos; e Vitor Fernando da Conceição Gonçalves, professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) de Lisboa.

Embora mantenha forte presença portuguesa compondo pouco menos da metade do Conselho, a Pharol deterá, diretamente e por meio de subsidiárias, 84.167.978 ações ordinárias e 108.016.749 ações preferenciais da Oi. A empresa (e todas as demais) é limitada a 15% do total de ações com direitos a voto.

Brasileiros

Dentre os acionistas brasileiros, fora Mettrau, há presença de representantes do BNDES: o vice-presidente Fernando Marques dos Santos (suplente), além Sérgio Franklin Quintella (efetivo), Joaquim Dias de Castro (suplente) e Luiz Antonio do Souto Gonçalves (efetivo). Vale ressaltar que Quintella também foi membro do conselho de administração da Petrobras entre 2009 a 2015, estando ligado à gestão de Graça Foster na empresa.

Ligados ao Grupo Jereissati estão Ricardo Malavazi Martins (efetivo), Cristiano Yazbek Pereira (suplente), Thomas Cornelius Azevedo Reichenheim (efetivo) e Sérgio Bernstein (suplente). Do grupo Abril está Marcos Grodetzky (suplente), enquanto Marten Pieters (efetivo) é ex-CEO da Vodafone na Índia.

Envolvida com as operações Lava Jato, a Andrade Guiterrez não conta com nenhum representante direto. No entanto, entrará a britânica/canadense especialista em telecomunicações Robin Bienenstock, que havia sido indicada para a administração da CorpCo pela empreiteira em outubro. Oficialmente, a administração da Oi diz que Robin, Pieters, Grodetsky e Vitor Gonçalves foram indicados pela Telemar Participações e se caracterizam como Conselheiros Independentes.

O mandato dos 22 membros vai durar até a assembleia geral que aprovará as demonstrações financeiras do exercício social findo em 31 de dezembro de 2017.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.