Banda larga fixa encerra 2018 com mais fibra e cada vez mais veloz

Foto: Pixabay.com

Apesar de ter sido basicamente o único serviço que mostrava crescimento, a banda larga fixa encerrou o ano passado com uma queda mensal, segundo dados divulgados pela Anatel nesta quinta-feira, 31. Foram 9,8 mil acessos a menos, uma redução de 0,03%. No comparativo anual, entretanto, houve aumento de 2,378 milhões de contratos, um avanço de 8,30%. Os responsáveis pelo crescimento foram, mais uma vez, os provedores regionais, a tecnologia de fibra e as velocidades de acesso mais altas. Na soma de tudo, a base brasileira do serviço de comunicação multimídia encerrou 2018 com 31,048 milhões de acessos.

Destaca-se aqui o grande avanço de conexões com velocidade acima de 34 Mbps, consideradas "ultra banda larga". Com 395,3 mil adições líquidas (um crescimento de 5,13%) somente comparado a outubro, essa faixa encerrou o ano com 8,099 milhões de acessos, tornando-se assim o segundo maior recorte no mercado brasileiro. Comparado com dezembro de 2017, foram 3,812 milhões de acessos a mais, avanço de 88,94%. A terceira faixa mais popular agora é a de 12 Mbps a 34 Mbps, que chegou a avançar no mês (0,27%) e no ano (3,06%), mas acabou perdendo o segundo posto justamente em dezembro, quando totalizou 8,077 milhões de contratos.

A maior base no Brasil ainda é a de acessos entre 2 Mbps e 12 Mbps, com 9,772 milhões de conexões. Como esse recorte tem sofrido sucessivas quedas – no mês foi de 2,46%, e no ano, de 1,78% – é de se esperar que, até a metade de 2019, as conexões com velocidades acima de 34 Mbps tornem-se a faixa mais popular no Brasil.

O avanço da velocidade parece estar ligado ao crescimento da fibra ótica no País. A tecnologia apresentou um desempenho mensal positivo, com 198,6 mil adições (aumento de 3,68%), e um avanço anual de 2,538 milhões de adições (83,11%), totalizando 5,593 milhões de conexões em dezembro. Além do FTTH e de uma quantidade marginal de adições em PLC, apenas a banda larga via satélite mostrou crescimento. Foram 8,1 mil adições no mês (aumento de 4,52%), e um avanço de 54,5 mil em 12 meses (crescimento de 40,68%), totalizando 188,4 mil contratos. Vale lembrar que foi justamente nesse período de final de ano que a Yahsat começou a operar com seu serviço de banda larga satelital e a HughesNet promoveu a expansão em sua operação.

Os acessos em cobre (xDSL), por outro lado, foram o que mais caíram no mês: 145,1 mil desconexões (1,17% de queda). No ano, foram 869,3 mil desligamentos (6,64%). Mas ainda é a tecnologia mais comum no País, com 12,230 milhões de conexões. A segunda mais popular, o cabo, não apresentou mudança significativa no mês (apenas 272 desligamentos), mas encerrou o ano com crescimento de 5,03% (451,6 mil adições) e uma base de 9,428 milhões de contratos.

Avanço de ISPs

Como tem sido comum, os provedores regionais lideraram as adições mensais. Foram pouco mais de 63 mil acessos a mais, um aumento de 1,02%. Como tiveram avanço de 2,041 milhões de contratos em 12 meses (um aumento de 48,52%), foram responsáveis por quase todo o crescimento do mercado de banda larga fixa no ano. Em dezembro, os ISPs consolidaram seu terceiro lugar, à frente da Oi, com 6,249 milhões de conexões.

Também cresceram no mês a América Móvil (Claro, Embratel e Net), com 11,2 mil adições, e a TIM, com 10,8 mil acessos a mais. O grupo mexicano é o líder no mercado, com 9,361 milhões de contratos após um avanço anual de 5,25%. Já a TIM contava ao final do ano com 484,4 mil conexões ao todo. A Vivo é a segunda maior operadora de SCM, com 7,579 milhões de acessos, o que representa queda mensal (0,20%) e em 12 meses (0,09%). A Oi voltou a perder acessos no mês (redução de 1,31%) e em 12 meses (4,92%), terminando 2018 com 5,994 milhões de conexões. Vale ressaltar que este noticiário destacou na quarta-feira, 20, que as grandes operadoras estão questionando a assimetria na regulação para pequenos provedores, bem como os convênios tributários para as prestadoras de pequeno porte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.