Publicidade
Início Newsletter Para João Rezende, Anatel tem limites para atuar na regulação de serviços...

Para João Rezende, Anatel tem limites para atuar na regulação de serviços de Internet

O presidente da Anatel, João Rezende, apresentou nesta segunda, dia 30, durante o Seminário Internacional da ABDTIC (Associação Brasileira de Direito das Tecnologias da Informação e das Comunicações) os elementos que devem balizar o debate na agência com relação aos serviços over-the-top. Segundo Rezende, a agência não devem entrar em questões tributárias, nem de conteúdos e nem em questões referentes a direitos autorais. “Essas são três áreas sobre as quais a Anatel não tem competência legal para atuar”. Para Rezende, a discussão da agência também não deve passar pela questão de tarifas, pois a lei só prevê o controle de preços nos serviços públicos. “Hoje, 90% do debate sobre a competição dos serviços OTT tem que ser resolvido pelo mercado. Mas há 10% onde a Anatekl pode atuar”, disse ele. Esses 10%, segundo o presidente da agência, é no que diz respeito a questões de conflitos na interconexão de dados, ou interconexão Classe V. Segundo Rezende, esse debate virá no Regulamento de Interconexão. “Existe uma nova fronteira competitiva, e isso é fato. Como fica a fronteira regulatória? A gente tem competência para regular a interface.  Como corrigir assimetrias considerando as fronteiras da Anatel? Porque não nos cabe regular questões tributárias, de direitos autorais, e de conteúdo.”, disse ele.

“Essa discussão sobre a regulação da economia digital é complexa e o fato dos EUA estarem evitando levar esse debate para o âmbito da UIT, por exemplo, é uma mostra das dificuldades que teremos”, disse o presidente da Anatel. “Não se espere uma cautelar sobre o WhatsApp porque a Anatel não tem como fazer isso”.  Além disso, disse Rezende, não se pode esquecer que qualquer medida pode ter impacto sobre a economia da inovação. Ele reconheceu, contudo, que se de um lado o desenvolvimento dos aplicativos e da economia digital cria novos usos e demandas pela rede, também faz com que o cidadão se torne mais criterioso e exigente em relação à qualidade da infraestrutura regulada de telecomunicações. “É um desafio para o regulador e para as próprias empresas, que precisam investir mais”.

Um aspecto que a Anatel deve ficar atenta, contudo, é em relação à possibilidade de concentração de aplicativos e infraestrutura nas mãos das mesmas empresas. “Vemos algumas empresas OTT interessadas em redes próprias de acesso. Isso é uma questão que precisa ser observada”, referindo-se ao Google Fiber ou ao projeto de acesso por drones do Facebook.

Notícias relacionadas

Para Rezende, parte desse debate precise entrar na nova discussão da Lei Geral de Telecomunicações. “Vamos acabar com o Serviço de Valor Adicionado? Ou transformar tudo em Serviço de Valor Adicionado? Esse é um debate que cabe ao Congresso fazer”, disse ele. Para Rezende, o limite da Anatel ao trazer para si essa discussão é o próprio serviço público. No limite, diz ele, a Internet poderia passar a ser considerada um serviço público, mas isso traz implicações de universalização e tarifação. “Não sei se isso é o mais adequado”, diz ele.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile