Eutelsat anuncia sistema de nanossatélites para IoT e parceria com Sigfox

Constelação de nanossatélites ELO. Foto: Divulgação/Eutelsat

De olho no mercado de Internet das Coisas, a operadora satelital Eutelsat investe em novas estratégias para aproveitar o potencial. A empresa apresentou seu projeto de constelação de nanossatélites de órbita baixa dedicado à tecnologia, o ELO. Além disso, a empresa assinou uma parceria com a rede de comunicação de longo alcance e baixo consumo (LPWA) para IoT, Sigfox, para fornecer conexão por meio da nova rede. Segundo informou a companhia nesta segunda-feira, 30, a plataforma deverá levar cobertura global para objetos poderem transmitir dados independentes da localização.

O sistema ELO terá 25 desses artefatos em escala diminuta, mas um satélite demo deverá lançado já no começo do ano que vem. O teste é fruto de um pedido da Eutelsat à Tyvak International feito no ano passado. Ele deverá confirmar o desempenho técnico de equalização de ondas entre um satélite em órbita baixa (LEO, na sigla em inglês) e objetos em terra.

Os primeiro quatro nanossatélites da ELO serão construídos sob supervisão da Lof Orbital (nos dois primeiros) e Clyde Space (nos dois seguintes). Os lançamentos desses quatro iniciais ocorrerão entre 2020 e 2021, com início da operação comercial do sistema "tão logo entrem em órbita". Com os resultados positivos dessa primeira etapa, os demais deverão seguir até completar os 25 até 2022.

A Eutelsat diz que o investimento necessário para a constelação já está incluído na previsão de Capex da companhia. Além disso, afirma que o custo associado não para cada satélite não deve exceder um milhão de euros. A companhia explica que a órbita LEO é "particularmente adequada" para processar sinais emitidos por redes IoT, além de fornecer link de satélite ubíquo "sem aumentar o custo ou o consumo de energia desses objetos".

Parceria

A Eutelsat também assinou parceria com a Sigfox para integrar a rede de comunicações IoT à constelação ELO, permitindo uma infraestrutura para aplicações como transporte marítimo, logística, segurança ou situações de emergência. Assim, a rede de comunicação de longo alcance passará a integrar a cobertura global do sistema de baixa órbita de nanossatélites.

A Eutelsat afirma que o objetivo é "se posicionar como uma potencial parceira de integração IT e operadores terrestres, buscando oferecer a seus clientes cobertura mundial". No mesmo comunicado, o CEO da operadora satelital, Rodolphe Belmer, diz ainda que o investimento é "relativamente modesto" e "totalmente escalonável", permitindo acessar uma "potencial alavanca de crescimento adicional no contexto da sua estratégia de conectividade".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.