UE também vai investigar partilha de dados de usuários do WhatsApp com o Facebook

Depois dos Estados Unidos e do Reino Unido, nesta terça-feira, 30, foi a vez da União Europeia anunciar que vai investigar o plano do Facebook de compartilhar informações de usuários do aplicativo de mensagens WhatsApp, incluindo números de telefone, para verificar se a medida fere a lei de proteção de dados do bloco econômico.

Na semana passada, a rede social anunciou que vai flexibilizar as regras de privacidade do WhatsApp e compartilhar os números dos smartphones dos usuários do aplicativo de mensagens com o Facebook, visando incrementar a publicidade móvel.

A Comissão Europeia, órgão executivo da União Europeia, que representa 28 Estados-membros do bloco, disse nesta terça-feira que irá realizar uma "grande vigilância" sobre as alterações na política de privacidade do WhatsApp. Conforme a nova política, os usuários do WhatsApp poderão apenas optar por não partilhar parte dos dados, o que desencadeou queixas de ativistas da privacidade nos EUA e na Europa. "O que está em jogo é o controle individual de dados quando eles são combinados por gigantes da internet", disse o Grupo de Trabalho Artigo 29, em um comunicado.

Órgãos de defesa da privacidade do consumidor nos EUA entraram com uma queixa na segunda-feira, 29, junto a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês), alegando que a mudança representa uma reviravolta na promessa feita pelo WhatsApp para os consumidores que "nada mudaria" quando a rede social adquiriu a startup em 2014, por US$ 22 bilhões.

A Electronic Privacy Information Center (Epic), organização que defende a privacidade dos usuários na web, e o Center for Digital Democracy dizem na queixa apresentada à FTC que as alterações propostas para o uso de dados de usuários do WhatsApp para "ações de marketing" constitui "práticas comerciais desleais e enganosas".

Em nota, o WhatsApp disse que "está em conformidade com as leis existentes", e acrescentou: "Estamos ansiosos para responder quaisquer perguntas aos órgãos reguladores ou que outras partes interessadas têm sobre esta atualização."

A investigação dos órgãos reguladores europeus abre uma nova frente de batalha sobre privacidade envolvendo o Facebook. A Bundeskartellamt, autoridade da Alemanha que regula a concorrência — o equivalente ao nosso Cade —, disse no início deste ano que está investigando se o Facebook abusa da sua posição dominante como rede social para coletar informações pessoais. O órgão de defesa da privacidade na França ameaçou multar Facebook se ele não mudar a forma como ele lida com dados sobre seus usuários.

O Facebook disse que está em conformidade com as leis de privacidade europeias, cita os processos que venceu em cortes de apelações em casos de privacidade na Bélgica e Bruxelas nos últimos meses.

Com a nova política de privacidade do WhatsApp, os usuários têm 30 dias para concordar com a partilha de dados, mas podem, como parte desse processo optar por não deixar (opt out) o Facebook usar os dados para fins de marketing. Os órgãos de defesa da privacidade alegam que esta exigência vai contra a ordem de consentimento de 2012 da FTC, que exige que a empresa use um processo de "opt-in" ao mudar sua política de privacidade.

O WhatsApp contestou essa caracterização, dizendo que tanto solicita o conteúdo de todos os usuários como também oferece "a opção aos usuários sobre como seus dados são utilizados". Com informações de agências de notícias internacionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.