Podcast TELETIME: Leilão 5G e o impacto no sinal de TV por Satélite

No terceiro episódio do Podcast TELETIME abordamos dois temas que prometem muitos desdobramentos nos próximos meses: o leilão para as faixas que serão usadas nos serviços de 5G e como isso interfere na recepção dos sinais de TV por satélite, afetando a vida de pelo menos 17 milhões de residências no Brasil. O podcast detalha o problema, analisa os principais complicadores e ainda traz uma entrevista inédita com Agostinho Linhares, gerente de espectro da Anatel, que fala sobre os testes de interferência na faixa de 3,5 GHz e sobre as possíveis soluções para esse problema tão complexo, que envolve emissoras de TV, empresas de satélite, operadoras de telecomunicações e, obviamente, os usuários de parabólicas no Brasil.

Acompanhe o podcast da TELETIME no Apple Podcasts, Google Podcasts, Spotify ou no seu tocador de podcasts preferido.

Assine a newsletter da TELETIME e receba de segunda a sexta as principais notícias do setor de telecomunicações.

1 COMENTÁRIO

  1. Ouvi atentamente o Podcast.
    E foi citado, diversas vezes, apenas o satélite Brasilsat C2 que encontra-se em 70°
    Ocorre que existam também outros satélites além do C2. Muitas emissoras de TV ou mesmo outros interessados que se utilizam também desse meio de comunicação via satélite FTA, e que não sejam necessariamente emissoras de TV, exemplo, igrejas, e que desejam que seu conteúdo chegue também a esses telespectadores e que utilizam também outros satélites, algumas vezes até mesmo por questões de custo.
    ( com toda justiça, óbvio que o mega do C2 ocupe um maior valor já que milhões de antenas encontram-se apontadas para aquele mesmo satélite, além da possível falta, talvez, mesmo de espaços para novos clientes ) E não podemos esquecer que tem satélites com coberturas diferentes e isso pode também diferenciar no custo. ( exemplo, satélite com cobertura em mais de um continente) Ou que encontre-se presente em mais headend etc..etc…etc….Portanto, se não existem, talvez, milhões de antenas banda C apontadas nos outros satélites, muito provavelmente possam talvez existir pelo menos alguns milhares e creio que esses mesmos telespectadores não deveriam ser também negligenciados.
    E confesso que fiquei surpreso quando o Sr. Agostinho citou o site Lyngsat como uma possível referência para os satélites e os canais de TV que possam encontrar-se em atividade. Ocorre que aquele site cita todos, todos os satélites em atividade no planeta Terra. E já alguns anos, nas pesquisas sobre os canais de TV aqui em nossa região, quase sempre percebi que encontrava-se desatualizado.
    Existem sites aqui no Brasil com informações da nossa região/América do Sul atualizadas diariamente. (em algumas situações, mais vezes ao dia )
    Os sites: Portal BSD e o Portal EDS.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.