TIM alerta para risco de espectro virar um ativo financeiro em vez de industrial

A combinação do surgimento de um mercado secundário de espectro, devidamente legalizado pelo PL 79, e a fragmentação do leilão de frequências de 5G pode atrair para o mercado brasileiro investidores financeiros que queiram comprar blocos pequenos de radiofrequência apenas para revendê-los depois para as operadoras. Obviamente, ainda é necessário aguardar as regras a serem estabelecidas tanto para o mercado secundário quanto para o leilão de 5G, mas a possibilidade preocupa a TIM.

"Seria um absurdo alguém participar (do leilão) e comprar o espectro para depois vender para quem vai operar. Se o 5G é habilitador da economia do País, quem compra e depois revende quer ter um ganho, e nesse ganho quem perde é o sistema", criticou o CEO da TIM, Pietro Labriola, em entrevista na Futurecom nesta terça-feira, 29.

O vice-presidente de regulamentação e relações institucionais da operadora, Mario Girasole, acrescentou: "O espectro é um ativo industrial, não financeiro. Portanto, deve ser regulado como industrial".

Ecossistema digital

Em sua palestra na Futurecom, Labriola reforçou a ideia de que o 5G constitui uma oportunidade para o Brasil construir um ecossistema digital próprio, o que ajudaria no crescimento da economia, impulsionando diversas verticais. "Isso pode ser uma vantagem para um país na competição global", argumentou. E reforçou a importância de uma atuação cooperativa entre as teles: "Ou surfamos todos juntos, ou perdemos essa onda. E não podemos perdê-la, porque a próxima só chega em 10 anos."

A visão de Labriola é compartilhada pelos fornecedores. "Ninguém imagina um país sem portos, rodovias etc. E no futuro ninguém vai imaginá-lo sem 5G. Ela fará parte da infraestrutura para o desenvolvimento de um país", disse Paulo Bernardocki, CTO da Ericsson.

Wilson Cardoso, CSO da Nokia para a América Latina, espera que o 5G movimente dentro de três a cinco anos uma receita extra mundial de US$ 2,3 trilhões ao ano oriundos de outras verticais fora de telecom. "Mas quem vai ficar com essa receita? As operadoras ou as OTT estabelecidas? Ou outras empresas?", perguntou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.