Presidente da TIM propõe aposta no OpenRAN para Brasil virar referência no 5G

CEO da TIM, Pietro Labriola, fala durante o Painel Telebrasil 2020

O presidente da TIM, Pietro Labriola, propõe que o Brasil deveria apostar no modelo de virtualização de redes de acesso abertas, o OpenRAN. Na opinião do executivo, isso permitiria ao País se tornar uma espécie de referência, conseguindo recuperar o que ele afirma ser um atraso na implantação do 5G e assumindo uma posição de destaque no cenário mundial da tecnologia.

"O atraso do 5G talvez possa virar uma oportunidade para todos nós, no sentido do novo standard que está aparecendo, o OpenRAN", declarou Labriola durante apresentação no último dia do Painel Telebrasil 2020, nesta terça-feira, 29. "Poderíamos abraçar [a tecnologia] e nos tornar o primeiro país a adotá-la."

Segundo explica o presidente da TIM, o OpenRAN permite escolher fornecedores diferentes para a tecnologia da rede de acesso, em especial no 5G. "Está aparecendo muitos outros parceiros e indústrias de tecnologia que vão fornecer esse serviço. Vamos avaliar a possibilidade de abrir para a OpenRAN e virar um laboratório do mundo, atraindo investimento e pesquisa para essa tecnologia, fazendo um 'leap frog', um salto para nós ficarmos à frente dos outros, transformando o Brasil no país mais avançado no 5G", destacou. 

Labriola diz que sabe que a proposta é uma "provocação" para o setor de telecomunicações, mas justifica que tomar o risco pode permitir "transformar um atraso em maior sucesso". 

Apoio

Em linha com o que o presidente da TIM, o superintendente de Controle de Obrigações (e ex-conselheiro substituto) da Anatel, Carlos Baigorri, acredita que a tecnologia de redes de acesso abertas OpenRAN é a chave para que o Brasil possa reduzir custos de implantação da infraestrutura, enquanto assume posição de liderança no 5G. "Esse atraso [no 5G] tem esse lado positivo: o Brasil pode ser celeiro da aposta para  OpenRAN", colocou Baigorri durante workshop no evento no final da manhã desta terça-feira. Na opinião dele, esse tipo de cooperação com OTTs na infraestrutura é o que poderá levar à maior inovação no mercado de telecomunicações.

Conforme declarou em sua apresentação o CEO da Nokia do Brasil, Luiz Tonisi, apesar de ser uma fornecedora tradicional de telecomunicações, a finlandesa integra as entidades Open RAN Policy e Open RAN Alliance. "Tudo o que estivermos produzindo a partir do próximo ano já será OpenRAN 'ready', o que vai permitir ter uma rede dedicada e manter o nível de segurança". Para Tonisi, a tecnologia será "provavelmente uma plataforma de desenvolvimento do 5G brasileiro".

Huawei

O OpenRAN já é adotado em algumas operações, como da operadora Rakuten no Japão, além de vários testes com outras empresas pelo mundo. No Brasil, além da própria TIM, a Vivo havia anunciado piloto com a tecnologia. 

Mas é importante lembrar que, além de supostos benefícios tecnológicos, o padrão de rede virtualizada aberta é também uma das bandeiras dos Estados Unidos para contra-atacar a China, em especial a Huawei, no 5G. Ainda neste mês de setembro, o órgão regulador Federal Communications Commission (FCC) anunciou um programa para incentivar o OpenRAN, já que a novidade pode permitir maior participação de empresas de software norte-americanas como fornecedores, retomando o espaço perdido no mercado de fornecedores de telecomunicações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.