Mercado secundário de espectro pode ser autorregulado, afirma Baigorri

O conselheiro da Anatel Carlos Baigorri acredita que o mercado secundário de espectro pode ser autorregulado, sendo que à Anatel, caberia criar um regramento mínimo para um mercado que já estivesse em funcionamento. O conselheiro aponta que esta seria uma forma da agência estimular a autorregulação e uma grande oportunidade para o setor.

"Até a promulgação da lei 13.879/2019, o mercado secundário de espectro era vedado. Com a nova lei, ele é possível. Mas não existe nenhuma regra sobre o assunto. E a eficácia do dispositivo legal que prevê isso não depende de uma regulamentação da agência. Então, acho que nesse assunto, a Anatel pode deixar o mercado resolver a questão, já que não temos uma visão de clara sobre como resolvê-la", disse Baigorri no evento Diálogos Conexis, que aconteceu nesta terça-feira, 29.

Baigorri cita este exemplo como uma medida da Anatel para estimular e potencializar a autorregulação no setor de telecomunicações. "Então eu acho que nesse exemplo, é uma oportunidade que o setor se autorregule. Não vejo a necessidade da Anatel regular", afirmou o conselheiro da Anatel.

Notícias relacionadas

Simplificação regulatória e RGC

O representante da Anatel também falou que a simplificação regulatória precisa ser algo mais efetivo na Anatel. "Acho que a regulação tem muito a avançar. Muita coisa precisa ser desregulamentada". Baigorri citou ainda o exemplo do Regulamento Geral do Consumidor (RGC). Na sua avaliação, o texto que chegou para o Conselho Diretor deliberar tinha apenas 60 artigos. O resultado final, após a discussão no colegiado, foi de um regulamento com 120 artigos.

Este por exemplo seria um regramento que poderia ser substituído pelas atuais regras autorregulatórias do setor, disse a conselheira independente do Sistema de Autorregulação das Telecomunicações (SART), Suzana de Toledo Barros, que também participou do evento organizado pela Conexis Digital.

"Cobrança, oferta e outros regramentos previstos no RGC podem ser retirados porque já estão sendo tratados em regras de autorregulação. Acredito que o RGC pode ser substituído pelo modelo de normas que já existem na autorregulação", afirmou Barros.

O ex-secretário de Advocacia da Concorrência e Competitividade do Ministério da Economia, César Mattos, outro debatedor do evento, também coaduna com a ideia, e afirmou que o RGC é um exemplo de uma regulação que se perdeu bastante. "Algumas coisas poderiam desaparecer ou ter um espaço na autorregulação", disse Mattos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.