Publicidade
Início Teletime Para GVT, só concorrência baixará o preço da banda larga

Para GVT, só concorrência baixará o preço da banda larga

Após o apoio de operadoras móveis como TIM e Claro, agora é a GVT a ver com bons olhos o projeto do governo federal de criar um Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), desde que se coloquem as redes das estatais de energia no mercado de oferta de capacidade de Internet. O presidente da operadora, Amos Genish, concorda com a reclamação geral do setor de que o custo de investimento e da carga tributária no Brasil ainda são elevados. "O que custa US$ 1 para a AT&T , custa para mim aqui US$ 2", diz o executivo. Mas, para ele, o maior problema é a baixa competição no setor.
"Só concorrência vai baixar o preço e melhorar o serviço de banda larga. Essa é a melhor solução", avaliou Genish, durante a apresentação, pela Telebrasil, do balanço de 2009 do setor.
No caso das grandes cidades, o executivo diz que o problema não é a falta da última milha, uma vez que haveria cobertura nessas áreas. "É o preço", garante. No caso das cidades menores, o drama está na falta de backhaul e backbone, tornando necessário um "subsídio do governo" para que essa rede seja expandida.

Notícias relacionadas
"O problema da GVT é que ela não tem backbone para todo o Brasil. Se o governo vai usar as fibras que tem da Petrobras, da Eletrobras, com preços mais acessíveis, a concorrência vai chegar", avisou o executivo, sinalizando que a GVT está disposta a ser parceira na oferta de banda larga dentro do PNBL. A Presidência da República ainda não bateu o martelo quanto à data de lançamento do projeto.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile