"240 dias é uma eternidade", diz Sardenberg

A Anatel não se mostra pressionada ou constrangida pelo fato de a Oi ter anunciado que espera a liberação da compra da Brasil Telecom pela agência reguladora em 240 dias (oito meses), conforme comunicado divulgado na última sexta-feira, 25. "Para nós da Anatel, 240 dias é próximo a uma eternidade", ironizou o presidente da agência, embaixador Ronaldo Sardenberg. "A análise está sendo feita em um clima de normalidade, sem açodamento e sem atraso que pareça descaso ou incompetência", complementou. Quem conhece os trâmites de processos de porte semelhante dentro da Anatel sabe, contudo, que 240 dias não é um prazo confortável.
Sardenberg não vê no estabelecimento de um prazo por parte da companhia nenhuma forma de pressão para que a agência conduza as mudanças no Plano Geral de Outorgas (PGO), que permitirão a concretização do negócio com a Brasil Telecom. A papelada sobre a operação ainda não chegou formalmente na Anatel. Nesta terça-feira, 29, após a cerimônia de assinatura dos contratos da terceira geração da telefonia móvel, o presidente da Anatel recebeu reservadamente o presidente da Oi, Luiz Eduardo Falco, para discutir a compra.
No encontro, Falco apresentou ao embaixador a forma como o negócio foi concretizado e disse que encaminhará nos próximos dias o pedido de anuência prévia para a operação, ato necessário para iniciar a análise da aquisição do ponto de vista regulatório e, mais tarde, concorrencial. Na opinião do conselheiro Pedro Jaime Ziller, encaminhar rapidamente o pedido de anuência pode não ser uma boa estratégia. "Se apresentarem hoje o pedido, a análise será feita com o PGO que existe hoje, então, vai ser negado", argumenta o conselheiro.

Notícias relacionadas

Contrapartidas

O embaixador Sardenberg confirmou que vem conversando constantemente com o Ministério das Comunicações sobre a reforma regulatória que está sendo traçada dentro da Anatel, como já havia revelado o secretário de telecomunicações do Minicom, Roberto Pinto Martins, em entrevista a este noticiário. Nestes encontros, inclusive com o ministro Hélio Costa, a Anatel tem aparado as arrestas das propostas que serão levadas à consulta pública.
Um ponto ainda em debate é que contrapartidas exigir em um cenário que permita a união das concessionárias. Sardenberg deixou claro que qualquer mudança feita no PGO deverá atingir igualmente todas as concessionárias. A declaração condiz com a proposta criada pela equipe técnica, em que a derrubada da barreira da regionalização prevista no PGO atual permitirá a união de todas as concessionárias, desde que seja feita uma separação estrutural da rede da nova companhia.
O presidente da Anatel defende também a criação de métodos de estímulo ao uso de tecnologia nacional pelas empresas beneficiadas pela mudança do PGO. O embaixador, que já foi ministro da Ciência e Tecnologia, disse estar conversando com a pasta para analisar como esta questão poderia entrar na lista de contrapartidas. "Acho que estamos no caminho certo", afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.