Parks produzirá CPEs de WiMAX para 3,5 GHz no Brasil

A Parks anunciou uma parceria com a Asus para a produção no Brasil de CPEs (customer premise equipment) de WiMAX para a faixa de 3,5 GHz, com integração de voz e dados. O contrato de transferência de tecnologia será assinado durante a Futurecom 2008, evento do setor de telecomunicações e TI, que acontece até quinta-feira,30, em São Paulo. A previsão da empresa é que a produção tenha início no ano que vem.
A estimativa da Parks é que o mercado chegue a 200 mil CPEs durante 2009. "Nós queremos conquistar cerca de 40% desse mercado", afirmou Mauro de Araújo, diretor comercial da Parks, ressaltando que no começo, os equipamentos serão destinados ao segmento de pequenas e médias empresas. Para a produção, a empresa adequou a sua fábrica, na qual foram investidos US$ 1,5 milhão.
O executivo disse que a planta industrial tem capacidade para produzir 30 mil CPEs ao mês. Ele estima que, com a fabricação local, o preço dos aparelhos devem cair entre 20% a 30% em relação ao produto importado, chegando na faixa de R$ 300 a R$ 350.

Notícias relacionadas
"Esse será um artifício importante para conquistarmos boa parcela do mercado", avaliou Araújo, ressaltando que por esse motivo já encontra demanda das empresas. Segundo ele, a Parks está em tratativas com a Embratel para iniciar um teste e espera apenas a homologação dos equipamentos pela operadora. "Nossa intenção é fechar isso até o fim do ano para, a partir de 2009, já fornecermos os equipamentos para a Embratel."
A Parks também já iniciou conversações com a Brasil Telecom e a Neovia, além de ter uma proposta no grupo Sinos.

Produção local
Inicialmente, a produção de CPEs será voltada para atender à faixa de 3,5 GHz. Segundo Araújo,
existe um acordo com a Asus que prevê o início da fabricação dos equipamentos para as faixas de 2,5 GHz, assim que a Anatel liberar a operação nessa faixa.
"Esperamos que isso aconteça em breve, pois ampliaria em muito o potencial do mercado", frisou Araújo.
Entre as oportunidades para a empresa, estão os investimentos da Telefônica, que já começou um piloto de WiMAX em 2,5 GHz em dois bairros de São Paulo, e também anunciou a intenção de atuar comercialmente com a tecnologia nos locais em que detém faixas, como Rio de Janeiro e Porto Alegre.
A Intel foi responsável pela aproximação entre a Asus e a Parks. Na verdade, tratou-se de mais uma ação da fabricante de chips na busca por gerar mercado de banda larga sem fio no país para a tecnologia WiMAX. A gigante dos semicondutores também quer ampliar as vendas de computadores equipados com seus chips a partir da massificação da internet. Outro interesse da Intel na tecnologia é em relação ao seu recém-lançado chip de baixo custo Atom, que equipará netbooks e MIDs (mobile internet devices), equipamentos cuja demanda tende a ser grande a partir do WiMAX. No mundo, a fabricante prevê que esse mercado tenha potencial de US$ 20 bilhões.
"Nossa intenção e aumentar a penetração da banda larga. O WiMAX tem uma relação de custo/benefício muito vantajosa para a transmissão de dados e gerará um mercado interessante para a Intel", analisou Oscar Clarke, presidente da Intel no Brasil.
Mas a Parks não tem interesse apenas na produção local de CPEs, a sua estratégia é mais ambiciosa e prevê também a fabricação de estações radiobase (ERBs) no Brasil. Para isso, a empresa está em negociações com a Sloka, para infra-estrutura de WiMAX fixo, e com a israelense Wine Networks, para redes móveis.
E, se houver demanda, a Asus poderá trazer notebooks com modem de acesso a WiMAX para o Brasil. "Dependerá da procura, se for grande, traremos. Porém, não estamos nos movimentando nesse sentido por enquanto", enfatizou Marcel Campos, gerente de marketing da Asus Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.