Crise não afeta indústria fabricante no curto prazo

A crise financeira não deve afetar a introdução da TV digital no Brasil no curto prazo. Pelo menos é o que pensam os executivos das indústrias de equipamentos. Segundo o vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Gradiente, Moris Arditti, que é também membro da Eletros (Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos) e vice-presidente do Fórum SBTVD, os eletro-eletrônicos encomendados pelos varejistas para o final de ano já estão prontos ou em produção. Para ele, não há a possibilidade de aumento de custos neste momento. "Os componentes foram comprados antes da alta do dólar. Talvez algum varejista queira indexar pelo dólar, mas a concorrência deve inibir isso", afirmou. Segundo ele, deve haver um esforço para divulgar a TV digital nos próximos meses. "O Fórum SBTVD está preparando uma concorrência com agências de publicidade para uma campanha", disse.
A expectativa de Arditti é que a base instalada de televisores digitais até o final do ano seja de 150 mil receptores fixos e 150 mil receptores móveis. Segundo ele, cada receptor fixo impacta em quatro telespectadores, enquanto os receptores móveis são de uso individual. Portanto, até o final do ano, serão 650 mil telespectadores da TV digital aberta.
A alta do dólar também não deve inibir os planos dos radiodifusores que pretendem iniciar as transmissões digitais no curto prazo. Segundo Paulo Castelo Branco, vice-presidente da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), os radiodifusores que pretendem iniciar as transmissões nos próximos seis meses já compraram seus equipamentos. "Talvez tenham que liberar os equipamentos na alfândega com o dólar mais alta do que estava quando fizeram a compra", disse, apostando ainda que o câmbio caia ao patamar de R$ 1,9 por dólar. "Que é o que a indústria vinha pedindo antes da crise".

Notícias relacionadas
Caso a crise se prolongue, não está descartada uma desaceleração na digitalização das transmissões. Para Roberto Franco, presidente do Fórum SBTVD, as emissoras podem adiar a compra de equipamentos, embora, tradicionalmente, a TV seja a mídia menos impactada em momentos de retração no mercado publicitário, disse a esta reportagem.
Os executivos participaram nesta terça, 28, de painel na Futurecom, evento de telecomunicações que acontece esta semana, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.