Com digitalização e transição para HD, Eutelsat vê Brasil como mercado promissor

Na última semana, o satélite 8 West B da Eutelsat foi lançado com sucesso. Cobrindo a América Latina, o lançamento faz parte de um projeto de expansão da empresa na região. "Uma das mudanças estratégicas na Eutelsat nos últimos anos foi a decisão de avançar para mercados onde tínhamos menos presença, entre eles América Latina e Brasil", disse Rodrigo Campos, diretor geral da companhia no Brasil.

De acordo com o executivo, a digitalização da TV aberta, a transição para o HD e a regionalização da programação elevarão a demanda por capacidade e alcance de distribuição nos próximos anos, criando boas oportunidades para empresas de satélite no País. "Com o switch-off, as afiliadas precisam expandir a distribuição do sinal, e o satélite surge como boa opção", avalia.

Notícias relacionadas

Fora do setor de vídeo, o executivo cita a utilização da banda Ka para oferta de Internet via satélite como a principal tendência para a região. "Ainda não lançamos o satélite 65 West A e já vendemos toda sua capacidade em banda Ka, e o mesmo aconteceu com o Eutelsat 3 B. Toda nossa capacidade nessa banda – em operação e com lançamento previsto – está vendida e sua principal utilização é a Internet banda larga via satélite", revela.

Com lançamento previsto para o início do ano que vem, o 65 West A operará em uma carga útil de banda Ka com 24 feixes pontuais dos quais 16 cobrirão grande parte do Brasil e gerarão acima de 24 Gbps de desempenho. Ele se juntará a outros três satélites da Eutelsat que operam na região – 8 West B e 12 West A. Nesta semana, a empresa anunciou acordo com a SpeedCast Serviços Multimedia para fornecer capacidade em banda Ku para aplicações de vídeos corporativos. Além disso, a Eutelsat assinou um contrato de 15 anos com a Hughes, subsidiária da EchoStar, para o aluguel de toda a capacidade da banda Ka cobrindo o Brasil no satélite.

De acordo com Campos, além de lançar novos satélites, a empresa vem investindo há um ano na ampliação da força de trabalho e da estrutura de atendimento. "Essa estratégia vem sendo adotada já há um ano e estamos vendo os resultados com os contratos assinados", diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.