Padrão brasileiro deve se concentrar no middleware

Na opinião de especialistas presentes em seminário sobre TV digital realizado nesta quarta-feira, 28, no Rio de Janeiro, sob a organização do Jornal O Globo, o esforço dos cientistas brasileiros na busca por um padrão nacional deve se concentrar no middleware, camada intermediária entre o hardware e o software da TV digital. "É no middleware que o Brasil tem chance de criar o seu padrão", aposta James Beveridge, diretor da Microsoft presente no evento.
A grande dúvida é se o país conseguirá criar um middleware 100% brasileiro ou desenvolverá uma extensão de algum dos três já existentes: Dase (EUA), Arib (Japão) e MHP (Europa). "Ainda é cedo para essa resposta", limitou-se a responder Ricardo Benetton, gerente de inovação do CPqD, órgão que coordena o projeto de desenvolvimento de um sistema brasileiro de TV digital. Carlos Capellão, diretor da SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão e Telecomunicações) é mais incisivo: ele considera impossível criar um middleware 100% brasileiro.
Vale lembrar que os mddlewares já existentes vêm convergindo e permitindo interoperabilidade para os softwares que, na maiorira dos casos, mesmo desenvolvido sobre um plataforma específica, pode trabalhar nas outras duas. Para que não fique isolado, e sem a capacidade de exportar softwares e conteúdos interativos, o Brasil terá de usar um middleware que também permita essa interoperabilidade.

Notícias relacionadas
No seminário, representantes dos três principais padrões no país defenderam suas respectivas tecnologias. Salomão Wajnberg, representante do padrão europeu, assegurou que o DVB é o que cobra o menor royalty (US$ 0,75 por receptor). "Criar um padrão próprio para não pagar royalties pode sair mais caro do que pagá-los", criticou. Murilo Pederneiras, que representa o padrão japonês (ISDB), disse que o Brasil não tem escala para criar um padrão próprio, ignorando o argumento de que parte da América Latina deve seguir a decisão brasileira sobre TV digital. Por fim, Sávio Pinheiro, que representa o padrão americano, explicou que o ATSC só não é forte na mobilidade porque não houve demanda por parte das emissoras americanas. "O que não significa que isso não possa ser feito", acrescentou.

Com mobilidade

Em palestra durante o evento, o ministro das Comunicações, Eunício Oliveira, destacou a importância da mobilidade como uma característica fundamental para o padrão brasileiro que está sendo criado. Questionado depois se isso significaria que o padrão americano está descartado, ele contemporizou: "queremos criar um padrão brasileiro. Não sabemos ainda onde vamos chegar".
Benetton, do CPqD, demonstrou preocupação em relação aos prazos. A Finep informou que precisaria de três meses para escolher as entidades que serão contratadas para participar do desenvolvimento do padrão brasileiro, mas o CPqD gostaria que o processo de seleção levasse apenas duas semanas. "A parte de inteligência precisa estar pronta em março de 2005", justificou Benetton.

TV X Celular

Mais uma vez, a convergência entre TV e telefonia celular entrou em debate. Wajnberg, que também é presidente da Telecom (Associação Brasileira de Telecomunicações), encerrou sua palestra afirmando categoricamente: "a função da operadora de telefonia é transportar, não produzir conteúdo".
Paulo Henrique Castro, gerente de projetos de transmissão digital da Rede Globo, destacou que a recepção gratuita dos canais de TV aberta nos celulares estimulará a compra de conteúdo exclusivo via rede celular, gerando receita para as operadoras de telefonia móvel. "Pesquisas da NTT DoCoMo comprovaram isso", afirmou.
A briga é mais séria, contudo: no seminário Tela Viva Móvel realizado em março, ficaram claras as duas posições existentes. De um lado, a Globo deseja que os handsets venham com um chipset capaz de captar o sinal de TV digital transmitido pelos broadcasters em UHF. A Vivo, por sua vez, afirmou que quem define os features do handset é o operador de telefonia móvel, pois é ele quem subsidia o equipamento e desenvolve os produtos. Para as operadoras de serviços móveis, o mais interessante é que o sinal de TV venha ao celular pela rede da operadora de telefonia móvel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.