Vivo foi mais conservadora que TIM em cálculo de sinergias da Oi Móvel

Foto: Pixabay

Após a conclusão da venda dos ativos da Oi Móvel, a expectativa de sinergias divulgadas por TIM e Vivo se valeram de diferentes metodologias. Enquanto a primeira reportou de R$ 16 bilhões a R$ 19 bilhões, a segunda foi mais conservadora, projetando R$ 5,4 bilhões.

Em relatório divulgado nesta quinta-feira, 28, o banco BTG Pactual pontuou a diferença nas abordagens. "À primeira vista, pode parecer que as sinergias que a TIM reportou no início desta semana são maiores do que as estimadas pela Vivo, mas há uma clara diferença de metodologia. As sinergias divulgadas pela Vivo estão relacionadas exclusivamente a Capex e Opex, enquanto a TIM também estimou algumas sinergias relacionadas à receita, como a redução do churn e a criação de novas oportunidades de receita".

"É claro que a Vivo deve se beneficiar dessas mesmas sinergias, mas a empresa optou por ficar no lado conservador, deixando estes de fora de seu cálculo", completou o BTG. Terceira compradora dos ativos móveis da Oi, a Claro não divulgou estimativas de sinergias, mas espera que 70% a 75% da receita oriunda de clientes da Oi se transforme em Ebitda.

Notícias relacionadas

Passivo

Um outro ponto determinante na integração dos ativos é o passivo dos sites móveis adquiridos da Oi. No caso da Vivo, as 2,7 mil torres são acompanhadas por R$ 1,4 bilhão em contratos de leasing, frente R$ 4,1 bilhão dos 7,2 mil sites da TIM.

Seguindo remédios ditados pelo Cade, 50% dos sites novos de cada empresa devem ser colocados à venda nos próximos meses (sendo 40% no caso da Claro). Se as teles não conseguirem transferir os ativos para interessados, elas deverão decidir entre continuar a pagar os arrendamentos com as torreiras ou negociar rescisões antecipadas (provavelmente pagando multas).

Nesse sentido, a TIM já demonstrou ter pressa com um planejamento de desativar 60% dos sites trazidos da Oi (a não ser que surjam interessados para a metade que o Cade exige a venda). A Vivo, por sua vez, estuda se mantém os contratos com as torreiras.

Deixe seu comentário