SES-10 será lançado nesta quinta, 30

Após os testes já realizados e bem sucedidos de disparo dos motores do foguete Falcon 9, da SpaceX, deve ser lançado na próxima quinta, 10, o satélite SES-10. O equipamento está pronto desde outubro passado, mas seu lançamento foi adiado devido à explosão de um foguete da SpaceX no final do ano passado. Segundo o vice-presidente de vendas para América Latina Sul da SES, Jurandir Pitsch, o satélite chega à sua posição orbital em poucas horas após o lançamento. "Em dois meses já deve entrar em operação comercial", diz.

O lançamento será o primeiro de um satélite comercial com um foguete reutilizável. O Falcon 9 já fez uma missão para a Nasa. "Isso vai reduzir custos. Não muito ainda, por que é a primeira vez. Mas a redução em breve deve chegar a 30%", diz Pitsch.

O SES-10, que opera em banda KU, ocupará a posição 67º, oferecendo cobertura a toda a América Latina. Projetado com foco no mercado de vídeo, o satélite pode operar para outros serviços. Ele substitui o AMC-4, que tem clientes de dados e vídeo na região, mas não cobre o Brasil. "O SES-10 vem com mais cobertura, para toda a América Latina e feixe exclusivo para o Brasil", conta o executivo.

Segundo ele, o satélite ainda não teve capacidade contratada no Brasil. A expectativa é conquistar clientes para três tipos de serviços ainda este ano:

* companhias aéreas, principalmente dos EUA, para Internet a bordo – uma vez que o satélite cobre 100% das rotas na América Latina;
* operadoras de 3G e 4G em toda a América Latina em regiões mais afastadas, que têm que cumprir obrigações regulatórias;
* aplicações de DTH, sobretudo operações menores, regionais e com aplicações específicas, como operações de governo gratuitas.

A vida útil do equipamento é de pelo menos 15 anos, sendo, portanto, um investimento de longo prazo. A posição orbital é favorável à futura expansão do DTH das operadoras principais. "Mas, neste momento, todos têm capacidade disponível e, com o mercado estagnado, não há grande expectativa. No futuro próximo pode surgir uma demanda por ultra HD", diz Pitsch.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.