Com 2 anos, LTE mostra que avançará com fôlego, mas precisa de cobertura ampla

Do ponto de vista tecnológico, a edição deste ano do Mobile World Congress, que aconteceu esta semana em Barcelona, orbitou em torno do LTE, como não poderia deixar de ser. As primeiras operações com a tecnologia estão completando o segundo ano de existência e alguns resultados podem ser extraídos. De tudo o que se comentou no Mobile World Congress, o que fica claro é que os casos de maior sucesso são aqueles que não tratam a quarta geração como uma tecnologia de hot-spot, ou seja, cujo acesso só funciona em pequenas regiões. Hoje, há cerca de 65 milhões de usuários 4G espalhados em 146 redes (contando cerca de 10 operações em TD-LTE). Operadoras que optaram por fazer redes mais extensas e com cobertura mais completa estão tendo resultados excepcionais, com curvas de adoção superiores às registradas com 3G quando esta tecnologia começou a ficar disponível, há cerca de 10 anos, robustez no serviço, menores custos de operação. Mas em praticamente todos os casos de maior sucesso, estão sendo usadas frequências baixas, de 700/800 MHz, 900 MHz e em alguns casos 1,8 GHz. Poucas são as operações que operam na faixa de 2,5/2,6 GHz que estão tendo o mesmo desempenho.
Um exemplo de sucesso é o da operadora Tele2, que está presente na Suécia, Rússia e em um total de 11 mercados europeus. Segundo Joachin Horn, CTIO da operadora, este mês de janeiro o tráfego total nas redes LTE na Suécia já bateu o tráfego total nas redes 3G. "A experiência até aqui tem sido fantástica. Encontramos (no LTE), uma tecnologia muito mais simples e madura do que foi com 3G, e mais eficiente. A rede é muito mais robusta, consome menos energia e é muito mais simples de gerenciar", diz o executivo, que assegura que o LTE irá, rapidamente, permitir custos menores para os usuários por ser muito mais barato para a operadora. A Tele2, contudo, tem uma rede que opera em 900 MHz. "Quando lançamos, havia um problema sério de terminais, mas hoje eles já estão disponíveis e o número de aparelhos só cresce".

Faixas baixas

A constatação prática de que LTE bom é LTE em faixas mais baixas está colocando uma pressão pesada sobre as operadoras fazerem o refarming de frequências, liberando as faixas de 1,8 GHz, hoje ocupadas na maior parte dos casos com redes 2G. A maior operadora inglesa, a EE (Everything Everywhere), deve liberar a sua faixa de 1,8 GHz em breve para o LTE. Será o refarming de maiores proporções já realizado e só foi possível porque surgiram handsets que suportam essa frequência. Outros mercados devem acompanhar, inclusive o Brasil.
No Brasil, o refarming da faixa de 1,8 GHz, que deve ser autorizado pelo governo, vai beneficiar a Oi, que tem cobertura quase nacional na faixas sem um legado de usuários expressivo. Mas será mais complicado, por exemplo, para a Vivo, que tem uma grande base 2G ainda ativa.

VoLTE

Com a pressão para o remanejamento do espectro de 1,8 GHz, as operadoras precisam operar voz em cima da rede LTE, o que ainda não é simples. Apesar dos avanços e das incontáveis implementações de VoLTE (voz sobre LTE) que já podem ser vistas no mercado e que inundaram os pavilhões dos fornecedores no MWC, ainda há problemas. Segundo Horn, da Tele2, os handsets ainda não vêm com o padrão de VoLTE, o handover (passagem de uma célula para outra) e o fallback (quando o celular muda de frequência)  entre redes 2G, 3G e 4G ainda é problemático com uma chamada de voz ativa. "Quando você usa VoLTE, não quer mais voltar para os velhos sistemas de voz. A qualidade é excepcional e o tempo de completamento de uma chamada é quase instantâneo. Mas ainda há problemas de interoperabilidade entre as redes", diz Joachin Horn.
Outro problema que a experiência da Tele2 mostra é que o roaming em LTE ainda é algo complexo, já que as frequências estão fragmentadas e as operadoras ainda têm políticas de roaming de dados pouco favoráveis aos seus usuários.
O executivo também aponta a necessidade de adaptações nas redes. "Com o LTE, é preciso que a ponta das redes tenham mais inteligência e sejam capazes de tomar decisões sem que isso precise ser decidido e processado no core das redes", diz ele.

CDN

Já a operadora coreana SK Telecom diz que a solução tecnológica que mais ajudou na implementação da rede 4G foi a distribuição de conteúdos pela rede, por meio de CDNs (Content Distribution Network). Tivemos que desenvolver uma forma de colocar as CDNs espalhadas pela nossa rede para que o conteúdo demandado pelo usuário de 4G não fosse jogado para o core", disse Jae Byun, CTO da SK Telecom. Ele disse que o fenômeno dos tablets populares e a reduçÃo do custo dos smartphones está ampliando ainda mais a demanda por dados nas redes 4G e que é preciso refazer o planejamento já antes que seja tarde. "O tsunami de dados do LTE ainda está chegando", disse ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.