Brasil garante cadeira no conselho da UIT, mas nenhuma presença em diretorias

O Brasil foi um dos 48 países selecionados nas eleições dos Estados-membros que irão ocupar as cadeiras no conselho da União Internacional de Telecomunicações (UIT). O pleito, realizado na cidade de Busan, na Coreia do Sul, durante Conferência Plenipotenciária da entidade (que começou na semana passada e irá até o dia 7 de novembro), mostrou que o País obteve a maior votação (152 dos 168 votos possíveis) para ocupar uma das nove cadeiras destinadas à região das Américas. As outras nações escolhidas são Argentina, México, Cuba, Costa Rica, Estados Unidos, Canadá, Paraguai, Venezuela e Barbados.

Notícias relacionadas

Embora tenha garantido seu lugar no conselho da UIT, o Brasil não emplacou nenhum membro nas diretorias da entidade (de radiocomunicação, padronização e desenvolvimento), tampouco no bureau de regulamentação de radiofrequências (RRB, na sigla em inglês). Para o RRB, representando as Américas, foram eleitos o argentino Ricardo Luis Terán e a norte-americana Joanne Wilson. Note-se que a União dedicou apenas duas cadeiras para a região nesse board. Europa Ocidental tem duas cadeiras, Europa Oriental e Nordeste da Ásia têm duas cadeiras, África tem três e Ásia e "Australásia" têm três.

Completam as eleições os já anunciados novo secretário-geral da UIT, Houlin Zhao, da China; e o novo delegado da secretaria-geral, Malcom Johnson, do Reino Unido. Além dos dois, foram eleitos François Rancy, da França, como novo diretor do gabinete de radiocomunicações; Chaesub Lee, da Coreia do Sul, como diretor do gabinete de padronização de telecomunicações; e Brahima Sanou, de Burkina Faso, como diretor do gabinete de desenvolvimento de telecomunicações da entidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.