Destinação do saldo da EAD precisa ter segurança jurídica

Com a eminente edição de portaria que permitirá a destinação do uso do saldo da digitalização, as empresas têm outra preocupação: contar com a segurança de que poderão utilizar os recursos sem a necessidade de investimentos adicionais. Durante painel na SET Expo 2019 nesta terça, 27, representantes das operadoras e da radiodifusão concordaram que é necessário que o grupo de implantação do processo de digitalização, o Gired, dê o sinal verde para a aplicação do saldo da Empresa Administradora da Digitalização (EAD), atualmente estimado em R$ 1,2 bilhão.

O diretor de relações institucionais da TIM Brasil, Leandro Guerra, explica que, do ponto de vista das operadoras, o saldo remanescente "tecnicamente ainda não é existe, é só uma expectativa". Para isso se concretizar, é necessário ter a garantia de quitação de obrigações. "A destinação e aplicação dos recursos excedentes devem ocorrer somente quando tivermos a segurança jurídica do cumprimento das obrigações do edital", declarou ele.

Esse é um ponto fundamental para as teles porque elas não querem ter a surpresa de precisar desembolsar mais do que já investiram. "A TIM aportou R$ 1,2 bilhão no projeto [da EAD para a digitalização e liberação da faixa de 700 MHz]. A expectativa do acionista é que já aportamos, e agora estamos no 'plus'. Não faria sentido ter que investir mais", diz.

A definição dos critérios para a garantia do cumprimento das obrigações deverá ser feita pelo Gired. O conselheiro da Anatel e presidente do grupo de implementação da digitalização, Moisés Moreira, disse também nesta terça-feira que isso deverá acontecer nos próximos dias, junto com a avaliação dos projetos da radiodifusão, das teles e do governo (para expansão da banda larga na região Norte). "É possível chegar à convergência, acreditamos estar próximos disso, e alinhados a políticas públicas do governo. Existe priorização em relação à distribuição dos kits, mas a gente acredita que tem espaço sim para a banda larga", declara Leandro Guerra.

Paulo Tonet Camargo, presidente da Associação Brasileira de TV por assinatura (Abert) e vice-presidente de relações institucionais do Grupo Globo, concorda que a segurança jurídica é crucial para a aplicação dos recursos. "Não podemos correr qualquer risco jurídico sob pena de perdermos o recurso e ele ter uma destinação genérica de dinheiro público, e não especificamente para coisas de telecomunicações e radiodifusão", defende.

Tonet acha "absolutamente razoável e justo" que as operadoras obtenham a certificação de quitação das obrigações antes de se comprometerem com os projetos. "Dito isso e feito isso, a estrutura da EAD poderia tranquilamente, na nossa visão, assumir o encargo adicional da operação desses recursos excedentes, com a segurança para que as operadoras não precisem colocar mais recursos." Esse é o mesmo entendimento do conselheiro Moisés Moreira, que vê como provável a continuidade da EAD para a administração do saldo.

Números da digitalização

Atualmente, são 1.379 municípios com o sinal da TV analógica desligado, impactando 128 milhões de pessoas. Foram também 12,4 mil kits distribuídos, e o Gired afirma que não houve nenhum registro de interferências na TV com o sinal móvel em 700 MHz. A previsão agora é que 26 cidades sejam liberadas para a utilização da faixa até setembro. Com isso, o Gired espera ter 1.017 canais remanejados, e 5.544 cidades liberadas para uso do espectro na rede móvel. "Estamos em vias de atender o objetivo, é questão de um ou dois meses para serem liberados os últimos canais", declara Guerra.

O processo de mitigação de interferências do LTE na TV aberta está previsto até outubro deste ano. No total, são 3.396 cidades mitigadas, o que corresponde a uma população de 182 milhões de pessoas.

Neste cenário, a TIM já chega com 4G a 3.332 municípios, dos quais 1,5 mil são com a faixa de 700 MHz. A previsão da operadora é encerrar o ano com 1,9 mil cidades, mas o executivo afirma que isso é uma projeção "conservadora". Leandro Guerra destacou ainda a aprovação do termo de ajustamento de conduta (TAC) com a Anatel, o qual considera um "elemento importante para o 700 MHz no 4G", e uma possível ampliação de recursos nesse espectro no futuro leilão. "A faixa de 700 MHz vai ser ainda mais importante na diferença das aplicações críticas a na gestão de milhões de dispositivos", diz. "A expectativa do leilão é positiva, e a gente sabe que vai ter banda de 700 MHz que vai ser leiloada também", adiciona.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.