Roubo de celulares: 39% dos internautas brasileiros já foram vítimas

Quatro em cada dez internautas brasileiros que têm celular, ou 39,4% para ser preciso, já tiveram o aparelho roubado ou furtado pelo menos uma vez na vida. É o que revela uma pesquisa inédita realizada por Mobile Time e Opinion Box, para a qual foram entrevistadas 1.861 pessoas on-line. O grau de confiança é de 95% e a margem de erro, de 2.2 pontos percentuais.

Entre as vítimas, 72% relatam que isso aconteceu uma única vez. Com as outras 28% houve duas ou mais ocorrências. Segundo 38,3% das vítimas, a última vez que tiveram seu celular roubado ou furtado foi há menos de um ano.

Trata-se de um problema de segurança que ameaça tanto ricos quanto pobres. Ao contrário do que se poderia imaginar, o índice é praticamente o mesmo independentemente da classe social: 40,2% dos entrevistados das classes A e B e 39,2% daqueles das classes C, D e E já tiveram um telefone móvel subtraído por bandidos.

Por outro lado, há uma diferença quando a análise é feita por faixa etária. Enquanto 45,3% dos jovens entre 16 e 29 anos já tiveram um celular roubado ou furtado, o percentual cai para 21,5% entre os internautas com 50 anos ou mais. Para aqueles com 30 a 49 anos, o índice fica perto da média nacional: 38,7%. A explicação pode estar no fato de os jovens se exporem mais com seus celulares em público.

Reação

Infelizmente, apenas metade das vítimas de roubo de celular notificam a polícia sobre o delito. De acordo com a pesquisa, somente 51% registraram boletim de ocorrência (B.O.) da última vez que foram assaltadas. Isso talvez mude conforme aumenta a penetração de seguro contra roubo de celulares, pois as seguradoras exigem o B.O.

Medidas para evitar o uso da linha e do aparelho são mais comuns. Entre as vítimas entrevistadas, 54,5% bloquearam tanto o chip quanto o aparelho; 24,3% bloquearam apenas o chip; e 5,9%, apenas o aparelho. Além disso, 23,4% tentaram rastrear seu celular roubado.

Um dado alarmante: somente 8,4% das vítimas tinham seguro contra roubo ou furto de celular quando tiveram seu aparelho levado pela última vez.

O relatório integral com mais dados sobre a pesquisa pode ser baixado de graça no site www.panoramamobiletime.com.br

Análise

O roubo de celulares no Brasil é um problema de segurança pública que vem crescendo nos últimos anos por uma série de fatores, como o agravamento da crise econômica, a popularização dos smartphones e o encarecimento desses aparelhos, cujo preço dos modelos top de linha ultrapassa R$ 4 mil. Notícias recentes publicadas em Mobile Time demonstram isso: em São Paulo, a secretaria de segurança pública informa que 30% dos roubos e furtos no estado têm como alvo o aparelho celular. E, no Rio de Janeiro, o ano de 2016 bateu o recorde histórico de registros de roubos de celulares (19.549) e tudo indica que em 2017 a marca será superada, pois entre janeiro e maio as delegacias fluminenses registraram 8.707 ocorrências desse delito, o que representa um crescimento de 23% em comparação com o mesmo período do ano passado. Os números reais, contudo, são muito maiores, já que metade da população assaltada não faz o boletim de ocorrência, seja porque não tem tempo ou porque não acredita que trará algum resultado prático.

As operadoras de telefonia celular mantêm uma lista com a identificação dos aparelhos roubados, o chamado Cadastro de Estações Móveis Impedidas (CEMI). O banco de dados é alimentado pelas empresas e por órgãos de segurança pública, como a Polícia Federal e as Polícias Civis estaduais. Em 31 de maio passado havia 8.305.237 celulares bloqueados pelo CEMI. Para efeito de comparação, um ano e meio antes, em 31 de dezembro de 2015, eram 6.193.524.

O celular é identificado pelo IMEI, seu número universal de identificação. Em tese, os aparelhos listados no CEMI não conseguiriam mais funcionar no Brasil, sendo bloqueados pelas redes das  operadoras móveis. O problema é que os bandidos conseguem alterar o IMEI com o uso de softwares e os celulares roubados acabam sendo revendidos no mercado negro. (Matéria originalmente publicada pelo site MobileTime)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.