Tráfego IP total no mundo chegará a 2 zettabytes em 2019, prevê Cisco

O mundo levou 32 anos para chegar a um total de 1 zettabyte (um seguido de 21 zeros) de tráfego IP (que inclui não apenas Internet, mas a comunicação em redes privadas) anual, mas levará apenas cinco anos para chegar à marca de 2 zettabytes na previsão da Cisco em seu estudo Visual Network Index (VNI) nesta quarta-feira, 27. Isso significa que o tráfego crescerá 12 vezes em relação ao que o ano de 2009 inteiro gerou (169 exabytes).

Notícias relacionadas
Em termos mensais, o tráfego IP em 2019 será de 168 exabytes (EB), contra 59,9 EB em 2014, um crescimento de taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 23% no período. Ou seja: o tráfego IP mensal triplicará em cinco anos. Para efeito de comparação, o Brasil consumirá 4,4 EB ao final desse período, correspondendo a 34% da América Latina (que terá um total de 12,8 EB), à frente do México (24%), Argentina (9%), Chile (6%) e do agrupado de outros países do bloco (27%).

Na visão da Cisco, esse aumento se deve a tendências como a maior penetração da Internet, que deverá atingir mais da metade (51%) da população mundial em 2019, ou 3,9 bilhões de pessoas. Em 2014, o índice apontava para penetração de 39%, ou 2,8 bilhões de pessoas.

Também contribuirá o aumento da velocidade da banda larga fixa, que sairá de 20,3 Mbps em 2014 para 42,5 Mbps em 2019, aumento de 2,1 vezes. A região que terá a maior velocidade em 2019 será a da Europa Ocidental, com 49,1 Mbps de média (contra 21,8 Mbps em, 2014), seguida de Ásia-Pacífico (48,9 Mbps em 2019, 23,2 Mbps ano passado), leste e centro europeu (45,3 Mbps contra 22,2 Mbps), América do Norte (43,7 Mbps contra 21,8 Mbps), América Latina (16,9 Mbps contra 7,2 Mbps) e Oriente Médio e África (14,9 Mbps contra 6,1 Mbps).

Dispositivos

Haverá também mais dispositivos conectados, considerando-se também redes privadas: de 14,2 bilhões no ano passado (ou dois acessos por pessoa no mundo), aumentará para 24,4 bilhões de aparelhos (3,2 por pessoa) em cinco anos. O aumento é decorrente não apenas de smartphones e computadores, mas também de comunicação máquina-a-máquina (M2M).

Em cinco anos, as conexões M2M sairão de 24% para 43% do total mundial de 24,4 bilhões de dispositivos conectados, contra 14,1 bilhões em 2014, evidenciando o avanço da Internet das Coisas (IoT). Em se tratando de verticais, 48% serão de novos tipos de conexões M2M, um grupo formado por carros, saúde, smart cities, smart grids, trabalho conectado e casas conectadas.

Vale ressaltar que, mesmo sendo 43% do total mundial, os módulos M2M corresponderão por apenas 3% (4,6 EB/mês) de todo o tráfego global IP ao final do período. No Brasil, os módulos M2M serão 32% do total de dispositivos conectados, ou 251,2 milhões em 2019 – ressalta-se, isso inclui qualquer tipo de objeto com conexão, seja Wi-Fi, móvel ou outra tecnologia de curto alcance, como Bluetooth. Para efeito de comparação, segundo dados da Anatel referentes a dezembro de 2014, os acessos M2M representavam apenas 1,287 milhão de conexões no mercado brasileiro. No entanto, a agência considera somente acessos M2M com SIMcards conectados à rede móvel.

Haverá crescimento também na quantidade de conexões com smartphones, de 15% para 19%, e de smart TVs, de 11% para 12%. Por sua vez, os featurephones cairão de 32% para 13%, e os PCs, de 11% para 6%. Outros aparelhos, incluindo dispositivos vestíveis (wearables), diminuirão a participação também: de 4,9% para 3,6%. Segundo o diretor do segmento operadoras da Cisco, Hugo Baeta Santos, isso acontecerá não por um desinteresse pelos wearables, mas porque haverá aumento maior das outras conexões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.