América Latina está atrasada em leilões de 5G, alerta Qualcomm

Protótipo de smartphone 5G com modem X50 da Qualcomm

[Publicado originalmente no Mobile Time] A América Latina está ficando para trás em relação ao resto do mundo no que diz respeito à definição do espectro que será usado para a quinta geração (5G) de telefonia móvel, alerta o presidente da Qualcomm para a região, Rafael Steinhauser. "Faltam planos sólidos para prover ao 5G espectro na faixa sub-6 GHZ e em ondas milimétricas. Há apenas iniciativas tímidas no Brasil e no Chile", disse o executivo em conversa com jornalistas durante o MWC19, em Barcelona, nesta quarta-feira, 27.

O Chile anunciou que vai leiloar um total de 60 MHz na faixa de 3,5 GHz. E o Brasil pretende liberar 200 MHz nessa frequência. O problema é que o ideal seriam 100 MHz por operadora, estima a Qualcomm.

Em ondas milimétricas a situação é ainda pior: nem sequer está decidida qual seria a faixa, muito menos quando aconteceria o leilão. Os governos latino-americanos estariam esperando a realização da WRC19, conferência internacional sobre uso de espectro. A expectativa é de que o Brasil opte pela faixa de 26 GHz, apesar de outros grandes mercados como EUA, Coreia do Sul e Japão terem escolhido 28 GHz.

Enquanto isso, em alguns mercados desenvolvidos, já começou a implementação da rede 5G e os fabricantes de smartphones apresentam seus primeiros modelos durante o evento de Barcelona. Segundo Steinhauser, dos 30 smartphones 5G anunciados até agora, 29 usam chipset da Qualcomm.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.