UIT: 2,7 bilhões de pessoas terão acesso à rede em 2013

A demanda por serviços de tecnologia da informação e da comunicação (TIC) continua a crescer no mundo, enquanto os preços da banda larga mostram tendência de queda, segundo relatório da União Internacional de Telecomunicações (UIT) divulgado nesta quarta, 27, em Genebra, Suíça. A estimativa da entidade é de que 2,7 bilhões de pessoas (ou 39% da população mundial) estará utilizando a Internet até o final de 2013. Isso não quer dizer que o acesso seja distribuído com isonomia no planeta.

A UIT afirma que apenas 31% da população em mercados em desenvolvimento estará conectada à rede até o final do ano, contra 77% em países desenvolvidos. A Europa é a região com maior penetração: 75%. A entidade não separou a América Latina da América do Norte, considerando todo o bloco como Américas e registrando uma penetração de 61% na região. A África é o local com menor taxa: apenas 16%.

A penetração em domicílios deverá ser de 41% no mundo até o final do ano. A região onde esse tipo de acesso tem mais se desenvolvido, segundo a UIT, é na África, com crescimento anual de 27%. Ainda assim, a imensa maioria das casas ainda desconectadas está justamente nos países em desenvolvimento – 90% de um total de 1,1 bilhão de domicílios no mundo.

Preços e velocidade

Enquanto isso, a banda larga continua a se popularizar ao se tornar cada vez mais acessível: nos últimos cinco anos houve uma queda de 82% nos preços, medida por meio da participação no Produto Nacional Bruto (PNB) per capita. Em países em desenvolvimento, os serviços ainda são proibitivos, ficando acima de 30% da média mensal do PNB per capita. Em países desenvolvidos, essa taxa é de 1,7% da renda nacional.

No quesito velocidade, os locais com melhor desempenho são Coreia do Sul, Hong Kong (China) e Japão. A surpresa na Europa vem de países como Bulgária, Islândia e Portugal, que demonstram boas taxas de velocidade de Internet. Por outro lado, na África menos de 10% dos acessos de banda larga fixa oferecem conexões superiores a 2 Mbps.

Há um gargalo também na questão de gêneros: há mais usuários masculinos (1,5 bilhão) do que femininos (1,3 bilhão) na rede no mundo. E há disparidade também se levado em consideração termos econômicos. Enquanto na estimativa global há 37% de mulheres e 41% de homens conectados, em países em desenvolvimento há 16% menos mulheres do que homens utilizando Internet (em países mais abastados a taxa é de apenas 2%). A UIT diz que, mesmo assim, há um perceptível crescimento no número de acessos femininos no mundo, até por conta da Internet móvel.

Conexões móveis

A previsão da entidade diz ainda que a penetração da telefonia móvel no mundo já passa dos 100% em seis regiões, enquanto o número de acessos já se aproxima dos sete bilhões. Mais da metade de todas as conexões móveis está na Ásia, que acaba por impulsionar o mercado mundial. Até o final de 2013 a taxa de penetração global deverá ser de 96% (128% em países desenvolvidos e 89% nas nações em desenvolvimento). Por isso, o mercado de banda larga deverá fechar o ano com 2,1 bilhões de acessos no mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.