Minuta da regulamentação levanta mais dúvidas, critica advogado

A minuta do decreto que regulamenta o Marco Civil traz mais dúvidas do que respostas, o que pode acabar levantando incertezas jurídicas mesmo ainda em fase de consulta pública. Essa é a avaliação do advogado especialista e professor e coordenador do curso de direito digital do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Renato Opice Blum, que aponta para aspectos do texto que dão margem para interpretações.

A maior crítica é a ausência de neutralidade no conteúdo. Isso porque, se a neutralidade do acesso é endereçada na minuta, uma eventual diferenciação no tráfego de dados por parte da aplicação é ignorada – por exemplo, se um provedor de conteúdo oferece streaming com qualidade melhor para clientes de uma determinada operadora. "Quando você faz isso, mexe no conteúdo ou no protocolo TCP/IP. E se é conteúdo, sai do Marco Civil e cai no vácuo", disse o advogado.

Notícias relacionadas

Opice Blum critica também a falta de definição em alguns termos, como no Art. 11º, que fala de "provedores de conexão e de acesso a aplicações".  "Qual a diferença entre os dois? Pode até ter um intermediário no meio para fazer gerenciamento (como em redes de transporte de empresas como Level 3 e Akamai), mas é mais um motivo para ter essa discriminação na regulamentação", declara. "Coloca-se 'provedor de acesso a aplicações' sem definir, aí você gera insegurança, apesar de ser uma consulta pública. Se quer colocar, ok, mas já predefina."

Em relação à fiscalização da transparência atribuída inclusive a empresas com sede no exterior, assunto abordado no Art. 18º, o especialista diz que há um problema de falta de tratados e convenções internacionais que permitam aplicar eventuais decisões legais. "Não tem como. É preciso ter algo que minimamente regulamente e preveja situações de troca de informações", afirma. "É um problema e o mundo inteiro está atrasado nesse ponto."

No entender do advogado, a falta de definições dá margem a algumas interpretações. Na opinião dele, a prática de zero-rating é um acordo comercial e, portanto, continua permitida. Os "serviços especializados" descritos no item II do Art. 2º, podem se referir tanto a serviços de IPTV como Internet das Coisas (IPTV), e até mesmo intranets.

Já os acordos entre provedores de conteúdo e de acesso (Art. 8º), que deverão ser fiscalizados pela Anatel, Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom) e Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência (composto pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade – e Secretaria de Acompanhamento Econômico – Seae), podem acabar demorando para ser julgados, gerando morosidade. "Sem dúvida nenhuma (a decisão) vai levar bastante tempo, até pela complexidade", explica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.