Câmara debaterá impactos da implantação do 5G no Brasil

5G

A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) promove nesta quarta-feira, 27, uma audiência pública que discutirá a implementação da tecnologia 5G sobre a tecnologia 5G no Brasil. Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), autor do requerimento da audiência pública, diz que o objetivo do debate é saber mais sobre a atual questão geopolítica envolvendo o 5G, analisar cenários, tendências e interesses das empresas e as consequências da implementação dessa tecnologia para o país.

Foram convidados para discutir o assunto o diretor de Relações Governamentais da Ericsson, Tiago Machado; o presidente da Qualcomm para a America Latina, Rafael Steinhauser; a relações institucionais e coordenadora executiva do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, Marina Pita; o representante da Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) Wender Souza; um representante do Google Brasil; e um representante da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A procura das empresas pelo mercado brasileiro

O Brasil está no centro das atenções das grandes empresas que produzem equipamentos e tecnologia para o sistema 5G, pelo potencial de mercado que representa e peso econômico na região. Após uma recente conversa com o presidente Jair Bolsonaro, o presidente da Ericsson Latam Sul, Eduardo Ricotta, confirmou, em entrevista à agência de notícias Reuters, um aporte de investimento de R$ 1 bilhão para a ampliação da sua fábrica em São José dos Campos (SP). A proposta é desenvolver uma nova linha de montagem exclusivamente dedicada a produtos de tecnologia 5G que serão fornecidos para toda a América Latina.

No começo do mês de novembro, foi a vez do presidente brasileiro receber a visita do CEO da Huawei, Wei Yao. Bolsonaro na época, disse que apenas ouviu o chinês, que esteve horas mais cedo no Palácio do Planalto. Durante a reunião do bloco dos BRICS, que aconteceu entre os dias 134 e 14 de novembro deste ano, Bolsonaro teve uma reunião com o  presidente chinês Xi Jinping par discutir vários acordos, dentre eles, a tecnologia 5G. Na ocasião, o governo da China disse que estava confiante de que o Brasil escolherá a Huawei para construir sua rede móvel de quinta geração. "Estou confiante em termos de cooperação entre a China e o Brasil com a tecnologia 5G. O Brasil levará em conta seu próprio interesse no desenvolvimento ao analisar a oferta da Huawei", disse o embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, na época.

O fato é que a tecnologia de 5G abre uma série de questões que precisam ser discutidas pelo Congresso que vão além das questões de segurança. Da proteção de dados à aplicação do modelo de neutralidade, há um contexto bastante complexo. Conforme já dito por representantes das operadoras, a tecnologia pode proporcionar uma revolução no setor, criando oportunidades de negócios baseados na virtualização de serviços e no edge computing, favorecendo a implantação de tecnologia focada em internet das coisas, por exemplo, ou serviços com qualidade de serviços diferenciadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.