Tandberg prevê faturar até R$ 40 milhões no Brasil em 2010

Apesar de representar cerca de 1% da receita global da Tandberg, a operação brasileira da fornecedora de soluções de telepresença e videoconferência é vista pela mariz como de grande potencial de crescimento nos próximos anos.
Em fase adiantada de negociações para ser vendida à Cisco, a empresa procura manter seu ritmo normal. O diretor geral da Tandberg para a América Latina, Thomas Valantin, afirma que, como o negócio ainda não foi concretizado, a palavra de ordem na empresa é continuar a planejar sua estratégia de negócios.
No Brasil, o total vendido pelos distribuidores da companhia é estimado para fechar o ano em R$ 26 milhões (US$ 15 milhões), o que representará crescimento de 100% na comparação com 2008. A previsão inicial era de expandir os negócios em 150%, mas a crise financeira mundial levou a um resultado menor do que o esperado.

Notícias relacionadas
Valantin explica que, apesar de a crise ter impulsionado a demanda por soluções de telepresença e videoconferência, abrindo oportunidades de negócios jamais vistas no país, a demora no fechamento dos contratos foi maior do que geralmente ocorre e alguns acabaram sendo postergados para 2010.
Para o ano que vem, a projeção da empresa é expandir os negócios no país em, no mínimo, 50%. Assim, os distribuidores da companhia no Brasil devem totalizar vendas de R$ 40 milhões (US$ 22 milhões). "Mas o mercado brasileiro tem potencial para crescermos ainda mais. As oportunidades de negócios aqui são enormes", destacou Valantin.
O executivo revela que a importância do Brasil na América Latina é tamanha que, dos US$ 2 milhões investidos pela companhia na região nos últimos 18 meses, 50%, ou seja, US$ 1 milhão, foram destinados ao país. Parte desse dinheiro foi aplicado na construção de um novo escritório em São Paulo, que foi inaugurado oficialmente nesta quinta-feira, 26. Para o ano que vem, a empresa deve realizar investimento de US$ 500 mil no país, pricipalmente para elevar e capacitar a equipe local e os canais.
Compra pela Cisco
Sobre a negociação com a Cisco, Valantin, que também é um acionista da companhia, revelou que, do seu ponto de vista, a nova oferta deve ser aceita por 90% dos acionistas, percentual necessário para que a transação seja concluída. "Eu aceito a nova proposta da Cisco", adiantou. O executivo diz que por terem culturas muito semelhantes, como o fato de atuarem por meio de canais, a integração entre as empresas será muito rápida. Após a conclusão do negócio, será criada uma divisão única voltada ao segmento de telepresença e videoconferência. A divisão ficará sob o comando do CEO da Tandberg, Fredrik Halvorsen. "A Cisco está querendo nos comprar não somente pela tecnologia e pela participação de mercado, mas principalmente pelo nosso expertise no segmento", comenta Valantin.
*Após a divulgação desta notícia a assessoria da imprensa informou que quando o executivo afirmou sobre o faturamento, ele quis se referir ao número total comercializado pelas distribuidoras da empresa no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.