Telgent lança chip para recepção de canais analógicos

Com investimento inferior a US$ 10 por chip, os fabricantes de celulares podem experimentar como funciona o negócio de TV móvel analógica no Brasil com a solução da Telegent Systems, fundada em 2004, com sede na cidade norte-americana de Sunnyalle, Califórnia. A companhia chega agora ao País e anuncia que o mercado local receberá ainda este ano novos aparelhos que oferecerão acesso gratuito a todos os canais de TV aberta existentes no território brasileiro.
A tese que a Telegent quer demonstrar ao mercado é que com esse pequeno investimento os fabricantes poderão ter mais vendas e mais lucros e explorar o mercado analógico até a migração total para a TV digital, o que dá uma folga para negócios com esse chip até 2016. A empresa não revelou os planos para lançar chip para TV digital, embora trabalhe nesse projeto.
Para reforçar isso, a empresa divulga dados de pesquisas realizadas no País que identificaram o interesse de 77% da população na possibilidade de assistir à programação de TV pelo celular.

Notícias relacionadas
Os executivos da empresa calculam que o Brasil é o 5º maior mercado de telefonia celular no mundo. "O Brasil é uma das nossas prioridades", afirma Carlos Kirjner, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Telegent Systems. A ZTE Brasil será a primeira fabricante de celular a lançar o novo modelo de aparelho. Para isso, já obteve certificação junto à Anatel. Procurada por este noticiário, a empresa chinesa não conseguiu localizar o porta-voz para esse assunto nesta terça-feira. A Telgent negocia também com outros fornecedores de aparelhos.
Dentro do modelo de negócios defendido pela Telegent, nem operadoras e nem usuários precisam fazer qualquer investimento para ter acesso ao conteúdo da TV aberta analógica. Aparelho com chip custa menos de US$ 100 na Ásia e Oriente Médio.
De acordo com Kirjner, a tecnologia da Telegent, lançada em 2007, está presente em mais de 5 milhões de aparelhos, em apenas seis meses, na Ásia e no Oriente Médio. Pesquisa da In-Stat aponta que esse número pode chegar a 34 milhões ainda em 2008.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.