TIM amplia corte de custos e reduz investimentos

(Atualizada às 18:20) A TIM anunciou em conferência com analistas sobre os resultados do segundo trimestre de 2016 uma revisão do seu "plano de transformação" de custos e do guidance da empresa para investimentos e conquista de mercado para os próximos anos. A empresa deve aumentar o esforço de corte de custos operacionais (OPEX) e diminuir o que estava previsto para investimentos (CAPEX) nos próximos anos, mas manterá o foco nos mesmos resultados, que eram a ampliação da planta 4G e estímulo ao consumo de dados.

Na parte operacional, a TIM pretende um esforço de redução adicional de R$ mais 600 milhões no gasto nominal de com despesas operacionais até 2018, fora a inflação no período. Os investimentos também deverão ser reduzidos em cerca de R$ 900 milhões no mesmo período em relação ao plano anterior. A previsão agora é levar a companhia a um custo operacional anual de R$ 11,1 bilhões em 2018 (hoje são R$ 11,7 bilhões) e os investimentos entre 2016 e 2018, que estavam estimados em pouco menos de R$ 14 bilhões, devem ficar em R$ 12,5 bilhões. Isso deve gerar uma economia acumulada, em relação ao plano anterior, de R$ 3,4 bilhões no OPEX no período até 2018 e R$ 1,1 bilhão no CAPEX no mesmo período.

Estes resultados serão obtidos, segundo o CEO da empresa, Stefano de Angelis, com redimensionamento do SAC e otimização de processos; reengenharia de processos de venda (com a ampliação de canais sem o uso de funcionários) e renegociação com terceirizados; revisão das condições de relacionamento com os canais de venda; e de uma consolidação dos fornecedores de TI e otimização dos custos de energia.

Notícias relacionadas

Mesmo com a intensificação do plano de corte de custos e investimento, deve haver uma ampliação nas novas cidades com cobertura 3G (para mais de 1000 cidades além das 1.839 cidades atuais até o ano de 2018, cobrindo 93% da população) e 4G (para mais de 600 cidades, cobrindo 92% da população). A TIM estima em cerca de 6 milhões o número de clientes de dados potenciais decorrente desse esforço de expandir a rede de 3G e 4G para além do que estava desenhado.

Com isso, a empresa deu aos analistas como guidance chegar a 24% de market share em receitas até 2018 (contra 22,4% hoje), expandir a margem EBTIDA anualmente até 2018, além de assegurar reduções de investimentos e OPEX. A TIM teve, em 2014, market share de 24,5% nas receitas do mercado móvel, mas perdeu participação nos últimos anos. O que será prejudicado no processo são investimentos fora desse plano. Por exemplo, na rede de banda larga fixa residencial, que deve manter a dimensão atual e o ritmo de crescimento moderado que vem sendo registrado.

Segundo de Angelis, a virada da empresa para a retomada do crescimento líquido das receitas deve começar a acontecer a partir do final do ano, com a estabilização da queda da VU-M e melhoria do uso em todos os segmentos. A TIM quer focar no usuário de pré-pago que efetivamente recarrega e utiliza os serviços, ampliar a oferta do plano controle e aumentar a receita no segmento pós-pago e corporativo.

"Temos também mudanças positivas nos indicadores macroeconômicos e achamos que isso se reflete sobre a operação, assim como o ambiente político, e isso deve melhorar o nosso ambiente de negócio", disse o CEO.

1 COMENTÁRIO

  1. Na região de Jundiaí (SP 11 interior) notei que a Tim desligou o 900 MHz onde havia redundância, isto é, em sites que emitem sinal em 1800 MHz também. Isso no GSM.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.