Telebras e Viasat, dos EUA, formam parceria para explorar o SGDC

banda ka, banda larga via satélite, espaço, dados via satélite

A Telebras e a empresa norte-americana Viasat anunciaram nesta segunda, dia 26, uma parceria estratégica para explorar o uso do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação (SGDC), operado pela estatal brasileira. A parceria prevê que a Viasat terá acesso à capacidade comercial do satélite para oferecer serviços de banda larga no Brasil para empresas, mercado de aviação comercial e serviços residenciais baseados em Wi-Fi em regiões com carência de infraestrutura.

A Viasat é uma empresa que opera banda larga via satélite nos EUA e fatura cerca de US$ 1,2 bilhão anuais. A empresa tem a atuação dividida entre os segmentos residencial, onde conta com cerca de 590 mil clientes; comercial, onde o principal foco tem sido na oferta de comunicação embarcada para aeronaves (IFC); e principalmente para o segmento governamental. Hoje, as vendas para governo representam cerca de 48% das receitas da Viasat, o segmento residencial responde por 38% e o segmento comercial traz 14% das receitas. A Viasat tem planos de entrar em todas as verticais em que atua nos EUA também no Brasil, e ainda trará ao país um modelo de conexão para áreas remotas e carentes por meio de redes WiFi com backhaul via satélite.

Notícias relacionadas

A parceria com a Viasat era o caminho bastante provável depois que o SGDC não conseguiu interessados no leilão de venda de capacidade, realizado no ano passado, e que ficou vazio. A empresa de Carlsbad, Califórnia, era uma das principais interessadas, mas no fim os termos do edital acabaram não agradando a empresa. A Telebras então partiu para o plano B e decidiu selecionar o parceiro por meio da lei das estatais, a Lei 13.303/2016, que não exige a realização de leilão. O acordo entre as duas empresas se dará em bases muito mais flexíveis do que as previstas no edital.

Segundo informações apuradas por este noticiário, a parceria com a Viasat permite a ocupação de 100% da capacidade não-militar do SGDC, de um total de quase 60 Gbps, mas o total que ficará reservado para a Telebras e o que a Viasat poderá dispor livremente não estão divulgados. Especula-se que seja uma partilha da ordem de 60/40 em favor da Viasat. Os termos comerciais da parceria também não são conhecidos ainda, mas o modelo é de compartilhamento de receita, e espera-se que em 10 anos sejam gerados mais de US$ 1 bilhão em receitas no Brasil.

Segundo a empresa norte-americana, a colaboração irá "ajudar a complementar" o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), combinando a capacidade em banda Ka com a infraestrutura e rede da Viasat, que ainda usará a experiência em "levar serviços de banda larga escalável e acessível para comunidades onde o serviço de Internet tem sido historicamente indisponível".  Com a parceria, a Viasat apoiará a Telebras em projetos governamentais, como o Banda Larga para Todos, Gesac ou o Banda Larga nas Escolas, projetos para os quais a Telebras foi ou está sendo contratada. Sabe-se que este tipo de projeto de conexão a áreas rurais e de baixa renda tem sido um dos focos da Viasat no México, onde a empresa atua por ter cobertura satelital residual dos EUA.

Os equipamentos e a tecnologia da Viasat deverão dar suporte às operações da Telebras que utilizem o SGDC, assim como a rede da Telebras deve dar o suporte terrestre para as operações da Viasat. A expectativa é que os primeiros equipamentos da Viasat comecem a chegar no Brasil já em fevereiro, com início do serviço em abril.

"Nosso acordo com a Viasat nos permite estabelecer a infraestrutura necessária para levar comunicações de dados de amplo alcance, confiável e de alta velocidade – mesmo nas regiões mais remotas e menos populosas do país", disse em comunicado o presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão. Ele afirma que espera que a parceria permita à empresa brasileira entregar as políticas públicas de universalização da Internet, enquanto constrói um "futuro competitivo globalmente" por meio da criação de empregos e capacitação, reduzindo as disparidades sociais com o acesso à banda larga. "Para resumir, este acordo significa confiança na recuperação da economia do Brasil e habilidade da Telebras de atingir seus objetivos." O CEO da Viasat, Mark Dankberg, disse estar comprometido em "ajudar o Brasil a perceber as oportunidades e benefícios que podem ser conseguidos com a conectividade no país".

A Viasat enfrenta, nos últimos meses, uma restrição para o crescimento de base nos EUA por conta da saturação de capacidade de seu satélite. Esta é uma das razões pelas quais sua base de clientes residenciais tem tido um leve declínio, já que a operadora se foca nos usuários mais rentáveis enquanto não tem capacidade. Espera-se que este problema seja aliviado com o Viasat 2, um satélite de altíssima capacidade (300 Gbps) lançado em junho do ano passado e que deve entrar em operação nos próximos dias. A empresa tem ainda uma série de satélites da série Viasat 3 programados e que devem estender a cobertura para outros países, inclusive Oriente Médio e Europa, e que devem ir ao espaço entre 2019 e 2020. O Brasil estava no mapa da Viasat, mas a parceria com a Telebras vai acelerar a entrada  da empresa no Brasil.

1 COMENTÁRIO

  1. Importante ter conhecimento sobre o montante que será pago pela VIASAT para explorar 60% da capacidade em banda Ka do SGDC para daí concluir sobre o retorno financeiro do investimento de 2.7 bilhões de reais!

Deixe uma resposta para Cesar C. Ghizoni Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.