Ericsson enfrenta queda nas receitas em 2016

A Ericsson encerrou 2016 com desempenho em queda nas receitas e nos lucros, segundo balanço financeiro da empresa divulgado nesta quinta-feira, 26. A receita líquida foi de 65,2 bilhões de coroas suecas (US$ 7,378 bilhões) no quarto trimestre, queda de 11%, acumulando no ano 222,6 bilhões de coroas (US$ 25,19 bilhões), uma redução de 10% comparado a 2015. A única região que mostrou crescimento no ano foi a do Sudeste Asiático e Oceania (15%). A América Latina totalizou 5 bilhões de coroas (US$ 565,8 milhões) no trimestre, uma queda de 19%, enquanto nos 12 meses a receita foi de 17,9 bilhões de coroas (US$ 2,025 bilhões), redução de 16%. A companhia sueca afirmou que as vendas na região foram reduzidas por conta da queda nos investimentos em banda larga móvel, pelo ambiente macroeconômico frágil e pela desvalorização das moedas locais.

A fornecedora apresentou lucro líquido de 1,895 bilhão de coroas suecas (US$ 214,4 milhões) em 2016, uma queda de 86% comparada a 2015. A companhia registrou ainda prejuízo líquido de 1,597 bilhão de coroas suecas (US$ 180,7 milhões), contra lucro de 6,978 bilhões de coroas (US$ 789,7 milhões) no quarto trimestre de 2015. O lucro operacional nos 12 meses foi de 6,299 bilhões de coroas suecas (US$ 712,8 milhões), queda de 71%. No trimestre, foi prejuízo de 280 milhões de coroas suecas (US$ 31,7 milhões), contra lucro de 11,035 bilhões de coroas (US$ 1,248 bilhão) no ano anterior.

Em comunicado, o novo CEO, Börje Ekholm, comentou que, embora tendências negativas tenham continuado no final do ano, as vendas foram positivamente impactadas por câmbio favorável e envios de hardware que estavam previstas somente para este primeiro trimestre de 2017. Ele destacou que a empresa está em período de "rápida mudança", com revisão das prioridades para estabelecer a futura direção da companhia. "A ênfase será em refinar a estratégia para focar investimentos em áreas nas quais tanto podemos como vamos vencer", diz, reiterando que a estabilidade será a base para um crescimento futuro. "Isso significa priorizar lucratividade em vez de crescimento, mas também de diligentemente continuar a trabalhar na eficiência e na efetividade por todas as operações."

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.