Publicidade
Início Teletime Zerbone defende acabar com distinção entre serviço público e privado

Zerbone defende acabar com distinção entre serviço público e privado

Acabar com a distinção de serviço prestado em regime público e regime privado de telecomunicações e dar garantias legais ao governo, inclusive de fixar tarifas, para que a universalização seja feita em mercados pouco atrativos e por serviço de interesse. Essa proposta é, para o conselheiro Rodrigo Zerbone, uma saída para a revisão dos contratos de concessão da telefonia fixa, tema que será debatido em audiência pública nesta sexta-feira, 26, na Anatel. "O modelo atual não é compatível com o desenvolvimento do setor", disse.

Notícias relacionadas
A ideia é usar os instrumentos do Plano Geral de Metas de Competição (PGMC), com obrigações para as empresas com Poder de Mercado Significativo (PMS). Além disso, defende Zerbone, a questão dos bens reversíveis seria resolvida com a precificação deles e, por meio de acordo previamente definido, acabando definitivamente com essa instituição. Esse modelo pressupõe que as concessões sejam por tempo indeterminado, para evitar desincentivos aos investimentos, que é quando acontece quando se aproximam os prazos de fim dos contratos.

"O que é importante é o poder público ter flexibilidade para definir qual serviço precisa ser universalizado, por meio de decreto, por exemplo, e não um serviço previamente definido com cada empresa", defende Zerbone. Ele reconhece que a essa mudança dependerá de muitas alterações na Lei Geral de Telecomunicações (LGT), que é baseada na diferenciação entre os regimes dos serviços, inclusive no ponto referente ao Fundo de Universalização do Serviço de Telecomunicações (Fust), que perderia a correlação com a telefonia fixa (STFC) em regime público. Ou seja, essas mudanças dependerão exclusivamente do Congresso Nacional.

No caso do Fust, uma das experiências internacionais, a da Espanha, prevê a transferência direta das demais operadoras para aquela que ficará responsável pela universalização do serviço. Zerbone disse que outras propostas podem ser avaliadas, mas o ideal é fazer as mudanças necessárias para evitar novas amarras com o fundo no futuro.

Alterar simplesmente o regime público para o privado não resolverá a questão, na opinião de Zerbone. "É migrar de um modelo empenado para um capenga", disse. "É preciso enfrentar essa questão", concluiu.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile