Mundo de PCs vai dar escala ao WiMax, acredita Intel

A decisão da operadora russa Yota – a segunda maior operação de WiMAX no mundo – de passar a pensar no LTE como tecnologia para a expansão de seus serviços, hoje todos em WiMAX acendeu uma luz amarela em toda a cadeia de valor da tecnologia. A operadora russa teme ficar isolada em um padrão tecnológico com devices sem escala e, portanto, com preços elevados. Há quem aposte que a Yota esteja anunciando a opção pelo LTE apenas para facilitar a sua vida em captações financeiras, mas ainda assim a situação é preocupante. Recentemente a Cleawire, que é a maior operação de WiMAX do mundo, também declarou que irá analisar o LTE para desenvolvimento em novas cidades.
Esses dois movimentos geram uma certa indecisão no mercado, reconhece o diretor de assuntos regulatórios da Intel Emílio Loures. Contudo não alteraram os planos da Intel nem sua expectativa para a tecnologia. "Não se pode esquecer da escala do mundo do PC. E eles não precisam ser subsidiados. Não estou dizendo que o WiMAX vai prevalecer, mas acho que existem fortes razões para atingir escala em patamares que existem hoje no mundo do celular", declara o executivo. A razão alegada pela operadora Yota foi justamente a opção de fornecedores mundiais como Samsung e Nokia pelo LTE. A operadora russa tem cerca de 500 mil assinantes.
A questão da disponibilidade do WiMAX parece ser talvez o maior trunfo da tecnologia. Hoje o WiMAX está pronto, enquanto o LTE ainda está em fase pré-comercial. Em relatório da consultoria Maravedis, a consultora Cintia Gaza afirma que os vencedores de espectro, especialmente na Índia, não podem esperar dois ou três anos para desenvolver o LTE, enquanto os desenvolvimentos de WiMAX seguem crescendo. Outro ponto levantado pela analista é o significativo desafio que existe se uma operadora monta uma rede WiMAX com a intensão de migrar para o LTE no futuro, em relação a base de devices WiMAX.
Hoje o WiMAX tem 7,2 milhões de assinantes, de acordo com a consultoria Maravedis. "Não é um número comparável com o 2G ou o 3G, mas é diferente do LTE, que é zero", argumenta Loures, da Intel.
Outro ponto a favor do WiMAX é o sistema de remuneração pela propriedade intelectual envolvida na tecnologia. Enquanto no LTE as negociações são feitas com os detentores de cada patente, no WiMAX existe a Open Patent Alliance, órgão que congrega todos os detentores de patentes da tecnologia. "É um ambiente onde os custos para remuneração da propriedade intelectual ficam reduzidos", explica Loures.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.