Pressa dificulta discussão do PGO, aponta evento da FGV

Encontro organizado pela FGV concluiu que a falta de transparência e a forma apressada de colocar o Plano Geral de Outorgas em consulta pública pela Anatel por apenas 30 dias (que vence no próximo dia 17 de julho) dificultam um processo de discussão mais aprofundado do mercado e dos consumidores. Por esse motivo, o que fica patente é que a consulta foi lançada apenas para atender ao desejo da fusão de grupos privados – ou seja, a compra da Oi pela BrT, sem que o pilar fundamental, a maior competição entre serviços, seja levada em conta.
Essa foi uma das conclusões do Seminário de Economia Aplicada, da Fundação Getúlio Vargas, realizado nesta quarta-feira, 24, em São Paulo, com o tema "A Atualidade do Marco Regulatório das Telecomunicações".
Segundo o professor da FGV, Arthur Barrionuevo, especialista em regulação, o período de 30 dias da consulta pública é exíguo para uma discussão mais aprofundada de tema tão complexo, com tantas implicações para a sociedade, além de não encaminhar vários desafios importantes.

Notícias relacionadas
"É necessário controlar o poder de mercado das empresas que já prestam ou prestarão serviço de banda larga para atender a demanda da sociedade brasileira. O serviço celular promoveu a desconcentração de mercado e competição. Dizer que a tendência mundial é a concentração do mercado é, no mínimo, uma falácia", diz o professor da FGV.
A partir da queda da receita das empresas de telefonia fixa com o serviço de voz, a tendência das teles é manter sua posição dominante também com novos serviços. O reajuste das tarifas de telecomunicações desde 97 sempre se deu acima do IPCA (embora abaixo do IGP-M, atrelado ao câmbio) e as empresas não tiveram perdas. "Faltou à Anatel, desde o início, fazer valer o unbundling (que foi regulamentado, mas não implantado) e a portabilidade numérica. Isso manteve o monopólio da telefonia fixa", afirma o professor.
Hoje, essas empresas contam com 90% do total de assinantes de telefonia, além da maior parte dos clientes de banda larga. "Para que isso mude depende de um processo competitivo e de regras. Se a Anatel busca um novo modelo, mas com os mesmos prestadores, mantendo as atuais regiões de concessão, não existe real mudança no cenário da competição". Para ele, as medidas promovem a concentração e o conluio tácito de uma empresa não entrar na região da outra.
A única medida efetiva do novo PGO em curto prazo é a permissão da fusão de grupos econômicos que controlam uma concessão em mais de uma região. "Parece pouco, tendo em vista os desafios enfrentados e dada a demanda da sociedade brasileira por maior acesso a serviços de telecomunicações e em particular de banda larga", afirma.

Ineditismo brasileiro

O advogado Pedro Dutra, presidente do Ibrac (Instituto Brasileiro de Defesa da Concorrência), destaca que a proposta do novo PGO quer atender, única e exclusivamente, a um negócio privado já realizado. "Isso é inédito no direito brasileiro e pode suscitar dúvidas jurídicas, já que o artigo 37 da Constituição trata da impessoalidade da administração pública que deve ser guiada pelo interesse público de natureza coletiva, e não resolver questão específica de interesse privado", diz.
Segundo o advogado, o artigo 202 da LGT já previa a revisão da regulamentação após cinco anos de privatização e a possibilidade da fusão de concessionárias. "Mas colocando em consulta pública um novo PGO, a Anatel tira de cima de si o ônus dessa mudança e coloca essa decisão para o Executivo, evitando futuros processos no Judiciário". Para ele, não há uma proposta efetiva de mudança dos atuais marcos regulatórios, já que a maioria dos itens remete a estudos que ocorrerão em 180 dias, exceto a fusão dos grupos. "Serão de novo regras definidas a portas fechadas, sem a participação da sociedade".
Dutra também apontou para uma imprecisão no item III da proposta que coloca a "Eliminação das restrições de atuação de Grupo que contenha concessionárias em mais de uma Região do PGO…". Segundo o advogado, a palavra "conter" não é técnica e, do ponto de vista jurídico, não é válida. "Como um grupo pode conter o outro? Essas e outras imprecisões mostram que o grupo não teve tempo hábil para uma revisão cuidadosa por parte dos expoentes", afirma.
Para Daniela Trettel, diretora do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), a proposta do novo PGO mais uma vez coloca o consumidor em último plano. "Não vemos propostas de mudanças para aumentar a competição e o paradigma do monopólio das redes nem do uso do Fust para a disseminação da banda larga. É uma consulta pública atropelada que não garante condições de competição que beneficiariam o consumidor", afirma.

Captura da agência

Outro problema colocado pelo professor Barrionuevo, da FGV, é a questão da captura da agência reguladora e a dificuldade da Anatel exercer seu papel de órgão independente. Ou seja, ela seria influenciada por grupos privados que conseguem definir o processo regulador ou impedir medidas contra seus interesses. "Com a ampliação do monopólio, essa captura tende a ser maior do que quando há menos concentração", diz. Há também o lobby dos grupos no próprio governo que influencia a decisão da agência. "A nova 'supertele' concentrará o mercado nacional em acesso fixo. Qual é o impacto institucional de uma concentração do porte econômico desse tipo?", questiona Barrionuevo.

TELETIME debate o tema

Os equívocos na revisão do modelo regulatório são analisados detalhadamente pelo professor Barrionuevo em entrevista na revista TELETIME que circula neste mês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.