SindiTelebrasil: retomada de testes sobre 5G e TVRO é necessária para decisão em 3,5 GHz

A avaliação do Comitê de Espectro e Órbita (CEO) da Anatel sobre as complexas condições de convivência entre futuros serviços 5G e os sistemas de TVRO na faixa de 3,5 GHz ainda não é vista pelo SindiTelebrasil, que representa as principais operadoras do País, como um ponto final para a questão. Para a entidade, é preciso que os testes de campo sobre a possibilidade de mitigação sejam concluídos, após paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Só então será possível dizer se, de fato, a convivência dos sistemas de 5G com as transmissões via satélite em banda C é tão problemática como sugerem as análises da Anatel, e chegar a uma conclusão sobre a forma e valores do edital.

Presidente executivo do SindiTelebrasil, Marcos Ferrari, endereçou a questão nesta segunda-feira, 25. "Temos que terminar os testes de convivência com a TVRO, que são fundamentais porque vão apontar a saída de política pública. Enquanto não estiver claro, fica difícil precificar o edital", afirmou.

Notícias relacionadas

"Essa situação antagônica entre migração [para a banda Ku] e mitigação [da interferência do 5G no TVRO] significa mais ou menos custos para o governo. Até agora, a mitigação tem se mostrado menos custosa e mais viável, e para isso são necessários os testes de campo, que infelizmente, com pandemia, foram paralisados", prosseguiu. Defendida pelos radiodifusores, a opção de migração dos serviços satelitais em 3,5 GHz para a banda Ku também está sendo avaliada de perto pela Anatel.

"Então defendemos que haja [a retomada dos testes] o mais rápido possível, para que edital possa indicar o preço correto", concluiu Ferrari. Como os testes de interferência foram suspensos no final de março por conta da pandemia, estudos e simulações computacionais ajudaram a subsidiar os estudos publicados pela Anatel na última semana. No caso, a conclusão foi de que os filtros LNBF disponíveis hoje ainda não têm condições de assegurar uma mitigação completa, dificultando a convivência entre 5G e TVRO em 3,5 GHz.

Políticas públicas

Secretário de telecomunicações do MCTIC, Vitor Menezes também abordou o tema durante evento promovido pelo Tele.Síntese nesta segunda-feira. "A Anatel deve avaliar qual a melhor solução técnica e econômica. Quão mais cara for a solução, haverá menos recursos para políticas públicas [de cobertura]. Se uma solução custar R$ 20 bilhões, será mesmo que ela é a melhor?", questionou. "Então estamos acompanhando todas as soluções. Infelizmente os testes foram atropelados pela pandemia, mas estamos acompanhando".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.