Cineastas pedem revisão do aumento da Condecine para Obras Não Publicitárias

Um grupo de associações enviou carta à Ancine nesta segunda, 25, solicitando a revisão dos valores da Condecine para Obras Cinematográficas e Videofonográficas Não Publicitárias Brasileiras, que sofreu aumento juntamente com todas as outras categorias da contribuição. No documento, enviado aos diretores da agência reguladora, as associações parabenizam a atuação da Ancine no caso da ação das teles e solicitam a revisão do aumento da Condecine para Obras Cinematográficas e Videofonográficas Não Publicitárias Brasileiras, que levaria ao "engessamento e o aumento de impostos para os produtores brasileiros, já que o país se encontra em crise econômica e política".

Assinam o documento a Abraci (Associação Brasileira de Cineasta), a Apaci (Associação Paulista de Cineastas), o CBC (Congresso Brasileiro de Cinema), a ABCV – DF (Associação Brasiliense de Cinema e Vídeo) e a APC Bahia – (Associação dos Produtores e Cineastas da Bahia), que afirmam no documento que a contribuição teve o seu valor quintuplicado. O aumento, o primeiro em 15 anos, desde a criação da contribuição em 2001, foi de aproximadamente 133%, tanto no caso de longas-metragens para cinema, como para obras seriadas para TV.

Segundo José Joffily, conselheiro da Abraci, a Ancine pecou ao não fazer uma consulta ao setor sobre as correções. "De modo geral, a Ancine escuta bastante, mas nessa questão, não fomos ouvidos", disse. Para Joffily, fica difícil para o produtor, sobretudo para os de menor porte, planejar seu negócio com um aumento tributário sem aviso prévio. "Deveria haver um indexador para corrigir as contribuições", diz.

Além disso, aponta o conselheiro da Abraci, a contribuição não diferencia o tamanho das produções. "Para uma série que custa R$ 1 milhão o episódio, isso não faz diferença, talvez o aumento até pudesse ser maior. Mas para uma série de baixo orçamento, que custa R$ 30 mil o episódio, o valor da Condecine pesa para o produtor", explica. No caso de produções nacionais, a Condecine subiu de R$ 90 para R$ 208,77, por episódio de obra seriada para a TV por assinatura. Já no cinema, o valor saltou de R$ 600 para R$ 1.458,25, para longas nacionais. Os valores recolhidos para obras estrangeiras são substancialmente maiores, de R$ 1.043,84 e R$ 7.291,25, respectivamente.

"Temos que ressaltar que não somos contra a Condecine. Ela é vital para nós. Mas precisamos encontrar um modus vivendi de quem paga e de quem recebe e que diferencie os diferentes", finaliza o produtor, roteirista e diretor.

Embora datada do dia 12 de abril, a carta foi entregue à Ancine nesta segunda, 25. Veja o documento na íntegra aqui.

1 COMENTÁRIO

  1. Com o agravante de que o mercado, principalmente de televisão, paga cada vez menos pelo licenciamento das obras audiovisuais.
    Para um produtor independente e de baixo orçamento, esse aumento brutal da Condecine torna mais complicado não depender de outras fontes de financiamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.