Publicidade
Início Newsletter Massificação de IoT passa por reforma tributária, afirma Conexis

Massificação de IoT passa por reforma tributária, afirma Conexis

A massificação da Internet das Coisas (IoT) no Brasil ainda depende, entre outros fatores, da realização de uma reforma tributária que diminua a carga do segmento, de acordo com a Conexis Brasil Digital.

O tema foi abordado pelo presidente da entidade, Marcos Ferrari, durante o IoT Business Forum, evento online encerrado nesta quinta-feira, 25, e organizado pelo TI Inside. De acordo com o representante da associação de operadoras, a reforma tributária encabeça uma lista de quase 50 demandas do setor.

“A reforma tributária é a mãe das reformas do setor e do ambiente de negócios do País”, afirmou o dirigente. Um dos pontos de revisão seria o caráter regressivo do ICMS, que conta com taxas maiores em estados de menor renda, gerando assim um “peso desigual” na adoção de tecnologias como a IoT.

Notícias relacionadas

Ferrari também notou que uma importante barreira tributária ao segmento foi derrubada ano passado, com a isenção para módulos IoT do pagamento de taxas de Fistel, Condecine e CFRP por cinco anos. A expectativa da Conexis é que tratamento semelhante seja dado também às antenas VSAT.

Entre as demais pautas consideradas relevantes para a massificação do IoT em 2021 estão a “regulamentação imediata” da nova Lei do Fust – de acordo com o presidente da Conexis, a medida permitiria a utilização de recursos oriundos do fundo. A modernização de leis municipais de antenas e o amadurecimento de iniciativas de corregulação em telecom também foram destacadas, além, é claro, do leilão de 5G cuja versão final será votada nesta quinta-feira, 25.

Consumidor final

Diretor executivo do Grupo Datora, Eduardo Resende também argumentou que uma das grandes possibilidades de crescimento para o mercado IoT é a popularização de soluções B2C (para o consumidor final).

Segundo o executivo, as ofertas atuais no Brasil ainda são muito B2B, com usos de rastreamento e maquininhas de pagamentos representando cerca de 75% das conexões M2M do País. “Outras verticais merecem ser exploradas“, afirmou o diretor da operadora.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile