Relatório das Nações Unidas condena bloqueios à Internet e cita caso do WhatsApp no Brasil

As Nações Unidas publicaram na última sexta-feira, 21, um relatório sobre liberdade de expressão e opinião denunciando e condenando tentativas de bloqueio de Internet. Assinado pelo relator especial para a promoção e proteção do direito à liberdade de opinião e expressão da Assembleia Geral da ONU, David Kaye, o documento menciona o Brasil, junto de países como República Democrática do Congo, Burundi, Índia, Bangladesh e Paquistão, como lugares onde a Internet ou serviços de mensagem foram bloqueados em 2015. O caso brasileiro foi particularmente com o WhatsApp, situação que voltou a acontecer mais vezes em 2016.

O relatório cita o Conselho de Direitos Humanos da ONU, que "condenou inequivocamente medidas que proíbam ou interrompam o acesso à informação ou sua disseminação online em violação com a lei internacional de direitos humanos, chamando todos os Estados a pararem com tais medidas". Todos casos de bloqueio do WhatsApp no Brasil tiveram como motivo o não cumprimento de mandados de Justiça em investigações criminais.

Entre os casos citados nos desafios legais, Kaye menciona a legislação antiterrorismo (Lei 13.260/2016) sancionada pela então presidenta Dilma Rousseff em março. O documento critica a proibição da anonimidade como Lei Constitucional. "Entendo que alguns desses esforços envolvem compromissos genuínos para prevenir terrorismo ou garantir a ordem pública, mas governos não demonstraram que a interferência na segurança da Internet é uma medida necessária ou proporcional à luz das ameaças específicas causadas à privacidade e liberdade de expressão", diz Kaye.

Há porém, elogios a determinados esforços para promover a liberdade de expressão. Em particular, à política de governança da Internet brasileira, citando a implantação do então governo Dilma do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) "após ampla participação de stakeholders". Cita ainda a adoção regras de neutralidade para a banda larga da Federal Communications Commission (FCC, agência reguladora norte-americana) "após a adoção de políticas similares por governos como os da Holanda, Chile e Brasil" – o princípio também está presente no Marco Civil. 

Conclusões

Em geral, o relatório condena ainda a detenção de blogueiros ou jornalistas online, além de outras formas de atacar a expressão digital, sob justificativa de segurança nacional. Conclui que as razões são "geralmente insustentáveis". O relator David Kaye pede que os Estados membros observem os direitos digitais, a integridade das comunicações digitais e seus papeis como intermediários. "Será particularmente crítico para Estados evitar adotar regras legais que impliquem atores digitais – incluindo, mas não limitado a, padrões de localização de dados, responsabilidade intermediária e segurança da Internet – que sabotam a liberdade de expressão", declara. "Vejo deterioração dos direitos online, mesmo com o Conselho dos Direitos Humanos e a Assembleia Geral exigindo que direitos offline sejam respeitados online", diz. "Os próximos anos testarão o quão é genuíno o compromisso à proposta."

Kaye sugere também que leis nacionais sejam revistadas. E, quando possível, não apenas implantar agendas legais, mas também treinamento, especialmente para entidades independentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.