GVT troca VDSL por FTTH e prepara novos serviços de TV e telefonia fixa

De fôlego renovado após o acordo com a Echostar, controladora da terceira maior operadora de TV paga norte-americana, a Dish, e da operadora de satélites Hughes, a GVT prepara uma série de mudanças estratégicas para garantir o crescimento da empresa no mercado brasileiro. Em seu discurso durante painel da Futurecom 2013, o presidente da operadora, Amos Genish, ressaltou a desaceleração econômica e a queda de 17,6% nas receitas da telefonia fixa e de 31,5% na média de minutos por usuário fixo (MOU) nos últimos cinco anos; ao passo que a banda larga e a TV por assinatura cresceram 11% e 28%, respectivamente, entre 2010 e 2012. "O consumidor está cada vez mais exigente, querendo mais qualidade e menor custo. Investimos milhões em sistemas de TI para ter mais conhecimento dos nossos clientes e entregar para o mercado ofertas segmentadas para atender complicações de casas mais complexas, com múltiplos dispositivos conectados, Wi-Fi e conteúdo não-linear", disse Genish.

A ideia da GVT é conseguir gerar novas fontes de receita através da inovação, explorando o potencial de crescimento da banda larga e da TV por assinatura, além, obviamente, de otimização dos gastos de investimentos e expansão geográfica. Para tanto, Genish revelou algumas ações práticas.

A partir ainda deste ano, mas mais efetivamente em 2014, todos os novos acessos serão baseados em fibra até a casa do assinante (FTTH), com a tecnologia GPON. "O custo para implantação de GPON e o de VDSL (usando técnicas de) vectoring está igual. Não há mais motivo para não construir mais FTTH", justifica o presidente da GVT. Vale ressaltar que, justamente por ter uma rede com arquitetura de próxima geração, com fibras nos armários muito próximos da casa dos usuários (entre 200 m e 400 m), a GVT até então preferia investir no par de cobre com bonding e/ou vectoring VDSL para levar altas velocidades sem precisar investir diretamente no FTTH. O cenário agora mudou.

"Com o crescimento dos deployments de fibra, os equipamentos na casa do usuário estão em um nível mais competitivo, assim como a fibra e os elementos de rede e a própria parte de instalação com ferramentas e treinamento de profissionais", explicou a este noticiário o vice-presidente de marketing da operadora, Marco Lopes. Segundo ele, a implantação de fibra está sendo acelerada em Curitiba e há bairros na cidade de São Paulo, onde a operadora começou a atuar apenas este ano, em que os acessos são 100% fibra.

Novo serviço de TV paga

Genish prometeu reformular e relançar seu serviço de TV paga em 2014. "Visitei o Canal+ na França e vi todos os seus produtos para assistir TV anytime, everywhere e é chocante como estamos atrasados no Brasil. A GVT está tentando, temos o Outra Chance (serviço de catch-up), mas estúdios e programadoras aqui no Brasil ainda estão resistentes. Há receitas novas e clientes buscando cada vez mais uma TV diferente e ano que vem a GVT terá a TV mais avançada do Brasil", promete o presidente da tele. É evidente que o relançamento do serviço de TV por assinatura já deverá contar com a expertise da Echostar não apenas em TV, mas também em caixas conectadas, como o Slingbox (que permite streaming da programação da TV por assinatura utilizando qualquer conexão banda larga em qualquer lugar), e em vídeo on-demand.

Na parte de conteúdos on-demand, GVT deve aumentar o portfólio do seu serviço de streaming para clientes de banda larga Power Music Club . "Temos mais de um milhão de músicas e 220 mil clientes multiscreen. Em fevereiro vamos aumentar o número de músicas para 4 milhões e teremos 50 mil vídeos", conta Genish.

Telefonia fixa

Para agregar valor ao serviço de telefonia fixa e tentar estancar a perda de receitas, a GVT lançará o Freedom, uma espécie de extensão da linha fixa do cliente em seus smartphones. "O produto está em teste piloto e vai sair até o final do ano", garante Genish. De acordo Lopes, trata-se de um app, com versões para Android e iOS, que permite a realização e recebimento de chamadas a partir do smartphone com o número fixo do cliente. "Basta que o smartphone esteja conectado na Internet. O objetivo é dar mais valor para o consumidor de telegonia fixa com a mobilidade e tentar conter a queda nos minutos utilizados, mas oferecendo um serviço integrado, com interconexão na rede fixa da GVT", detalha Lopes. Os testes estão sendo realizados com alguns clientes há dois meses. A operadora já tinha um modelo semelhante para o Vono, seu serviço de VoIP.

Outro serviço, este já operacional, é a possibilidade de os assinantes terem acesso a todas as informações de chamadas recebidas, realizadas e perdidas a partir da tela de seu televisor. Os serviços foram desenvolvidos em cima da plataforma IMS da GVT. "Temos muitos outros serviços que estamos estudando", garante Lopes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.