Anatel nega pedido do Exército para ampliar uso da faixa de 700 MHz

(Atualizado em 24/08 às 18:50) O Conselho Diretor da Anatel decidiu negar o pedido do Exército Brasileiro para destinar adicionalmente a sub-faixa de 708 MHz a 718 MHz e de 763 MHz a 773 MHz para atender uma possível demanda de ampliação de espectro do Sistema Nacional de Comunicações Críticas (SISNACC). Em nota divulgada na noite de quinta-feira, 23, a agência afirma que está atenta à importância do sistema e ressalta que pode destinar outras faixas. No entanto, o órgão regulador destaca que a instituição pode recorrer a técnicas que permitem o tráfego de maior volume de dados sem necessariamente utilizar uma faixa adicional, "tal como a utilização de células de menor raio, aumentando o reuso de frequências". Hoje os órgãos de defesa já utilizam um bloco de 5 MHz na faixa de 700 MHz, onde não houve nenhuma mudança. O que foi negado foi a ampliação desta faixa.

A Anatel reforça que a faixa de 698 MHz a 806 MHz é utilizada atualmente para as redes 4G e está identificada pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) para utilização de sistemas móveis (IMT) na região 2, na qual o Brasil está inserido. Segundo a agência, entre os anos de 2012 e 2015, verificou-se no Brasil um crescimento de tráfego de dados de aproximadamente 400%, com tendência de alta, além do incremento no número de acessos 4G. "Tal fato demonstra o aumento da necessidade de uso de espectro para IMT, especialmente com o advento das novas tecnologias IMT-2020 (5G)", afirmou o regulador.

O pedido do Exército foi protocolado em dezembro de 2014. O processo, que foi a provado em bloco na reunião do Conselho Diretor desta quinta, 23, foi relatado pelo conselheiro Otávio Rodrigues.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.